Obama pede fim de crises e danos 'autoimpostos'

O presidente dos EUA, Barack Obama, exigiu um fim para as "crises produzidas e os danos autoimpostos" ao pedir que republicanos e democratas do Congresso aprovem um novo Orçamento federal. Em seu programa semanal de rádio, Obama disse que o que a maioria das pessoas ouve de Washington é "um amontoado de barulhos sem foco que não está ligado às coisas com as quais nos preocupamos".

AE, Agência Estado

02 de novembro de 2013 | 09h21

"Por isso hoje quero acabar com esse barulho e falar claramente sobre o que nós devemos fazer corretamente agora", afirmou Obama. "Isso começa por encerrar o que mais prejudicou a nossa economia durante os últimos anos: o ciclo constante de crises produzidas e danos autoimpostos", acrescentou.

Os comentários de Obama foram feitos pouco mais de duas semanas depois de os EUA passarem por uma batalha sobre o Orçamento e o teto da dívida que ameaçou levar o país a um calote e forçou a paralisação parcial do governo por 16 dias. O impasse foi resolvido com medidas emergenciais que empurraram a batalha para os próximos meses.

Se um novo acordo orçamentário não for encontrado até 15 de janeiro, quando o financiamento temporário expira, uma nova rodada de cortes automáticos de gastos será implementada. Obama afirmou que o Congresso deveria "aprovar um orçamento que corte coisas que nós não precisamos e feche rombos fiscais que não ajudam a criar empregos, para que possamos liberar recursos para as coisas que realmente criam empregos e crescimento".

O presidente também teve algo para comemorar no programa de rádio deste sábado. Obama destacou que nesta semana o "Tesouro confirmou que desde que assumi o governo nós reduzimos o nosso déficit em mais da metade". O déficit dos EUA no ano fiscal de 2013, encerrado em 30 de setembro, foi de 4,1% do Produto Interno Bruto (PIB), em comparação com 7,0% em 2012 e 10,0% em 2009.

No entanto, a redução do déficit está altamente relacionada aos cortes automáticos de gastos. Fonte: Dow Jones Newswires.

Mais conteúdo sobre:
EUAOBAMA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.