Lim Heon-jung/Yonhap / Reuters
Lim Heon-jung/Yonhap / Reuters

Obama pede pressão regional sobre Coreia do Norte contra teste nuclear

Presidente americano diz que pode aplicar novas sanções contra o regime de Pyongyang

O Estado de S. Paulo,

25 de abril de 2014 | 10h36

SEUL - O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, disse nesta sexta-feira. 25,  que a Coreia do Norte representa uma ameaça não somente para a região mas também para os Estados Unidos, e que espera que a China use sua influência para frear o aliado governo de Pyongyang.

Em visita na capital sul-coreana,Obama pediu à Coreia do Sul, o Japão e à China que aumentem a pressão para evitar um quarto teste nuclear de Pyongyang."A Coreia do Norte não é só uma ameaça para nossos aliados na região: também é uma ameaça para os EUA", disse Obama, ao lado da presidente sul-coreana, Park Geun-hye.

Em março, a Coreia do Norte alertou que não descartava realizar uma "nova forma" de teste nuclear para ampliar seu poder de dissuasão nuclear, após o Conselho de Segurança da ONU ter condenado Pyongyang pelo lançamento de um míssil balístico de médio alcance no mar a leste da península.

Obama prometeu punir a Coreia do Norte com mais sanções no caso de novas ações provocativas. Para o líder americano, a China terá um papel importante para controlar o regime de Kim Jong-un. "A China também reconhece que a Coreia do Norte é um problema para a segurança da região", afirmou .

A Coreia da Norte enfrenta sanções da ONU desde o primeiro teste, realizado em 2006. O país está proibido de realizar testes atômicos e de mísseis, não pode negociar armas com Estados membros da ONU e nem realizar negociações financeiras que facilitem essas transações.

O presidente americano também manifestou sua preocupação pelo último relatório da ONU que denuncia um panorama de torturas, opressão e restrição de liberdades dos norte-coreanos por parte do regime de Kim Jong-un, que classificou como "o maior violador dos direitos humanos do mundo". / REUTERS e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.