AP Photo/Pablo Martinez Monsivais
AP Photo/Pablo Martinez Monsivais

Obama pede que Congresso suspenda embargo sobre Cuba: 'política fracassada'

No 1º aniversário da retomada das relações diplomáticas entre os dois países, presidente americano destacou os 'importantes passos' dados pelos dois lados ao longo de 2015 e disse que sem a medida os EUA 'apoiarão uma vida melhor para os cubanos'

O Estado de S. Paulo

17 de dezembro de 2015 | 17h49

WASHINGTON - O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, afirmou nesta quinta-feira, 17, que o embargo econômico imposto por seu país sobre Cuba é "o legado de uma política fracassada", ao voltar a pedir ao Congresso que o suspenda, no primeiro aniversário do início do processo de aproximação e normalização bilateral.

Em comunicado por ocasião da data, Obama reiterou também que a "mudança" em Cuba não ocorrerá "da noite para o dia" e a normalização completa das relações "será uma longa viagem".

Obama destacou os "importantes passos" que se deram no último ano para normalizar as relações - entre eles o restabelecimento dos laços diplomáticos com a reabertura das embaixadas em Washington e Havana -, facilitar mais viagens e o comércio com Cuba, e "conectar mais americanos e cubanos".

Além disso, graças ao giro na política em relação a Cuba, os Estados Unidos estão "em uma posição mais forte" para relacionar-se "com os povos e governos" de todo o continente, segundo Obama.

"Seguimos tendo diferenças com o governo cubano, mas as colocamos diretamente e sempre defenderemos os direitos humanos e os valores universais que apoiamos no mundo todo", ressaltou o presidente.

Em 17 de dezembro de 2014, Obama e o presidente de Cuba, Raúl Castro, anunciaram o início de um processo histórico para normalizar as relações bilaterais, após mais de meio século de inimizade.

Na quarta-feira os dois governos anunciaram que chegaram a um acordo para retomar os voos comerciais diretos entre os dois países, que se soma a outro, fechado na semana passada, para restabelecer o serviço postal direto através de um plano piloto de transporte de correio e miudezas.

No entanto, ainda restam temas muito complexos a resolver como as compensações econômicas mútuas e persistem importantes diferenças entre os dois países em assuntos como imigração e direitos humanos.

Em relação ao embargo econômico sobre a ilha, embora Obama tenha tomado medidas executivas para flexibilizar as viagens e algumas transações comerciais, sua suspensão completa depende do Congresso dos EUA, controlado hoje pelos republicanos, que se opõem majoritariamente a sua eliminação.

Segundo ressaltou nesta quinta-feira Obama, o Congresso dos EUA "pode apoiar uma vida melhor para os cubanos" com a suspensão desse embargo. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.