Obama pede que Kadafi saia imediatamente

O presidente dos EUA, Barack Obama, disse neste domingo que o regime de "punho de aço" de Muamar Kadafi chegou a um "ponto crítico" e que o "tirano" líbio deve sair agora e evitar mais derramamento de sangue.

AE-DOW JONES, Agência Estado

22 de agosto de 2011 | 01h44

Em um comunicado por escrito, Obama também pediu que os rebeldes líbios que entraram em Trípoli respeitem os direitos humanos, mostrem liderança, preservem as instituições do estado líbio e avancem em direção à democracia.

"Nesta noite, a pressão sobre o regime de Kadafi chegou a um ponto crítico", afirmou Obama. "Tripoli está escapando do controle de um tirano", acrescentou. O presidente norte-americano está de férias no balneário de Martha''s Vineyard, de onde transmitiu o comunicado.

"O regime de kadhafi mostra sinais de que está caindo", disse Obama. "O povo da Líbia está demonstrando que a busca universal de dignidade e liberdade é mais forte que o punho de aço de um ditador." Obama afirmou ainda que a forma mais certa de terminar o derramamento de sangue na Líbia é simples: "Kadhafi e seu regime precisam reconhecer que seu regime chegou ao fim."

Obama também observou que os EUA reconheceram o Conselho Nacional de Transição (CNT) como a autoridade legítima do governo líbio. "O CNT deve continuar a demonstrar a liderança que é necessária para conduzir o país através de uma transição com respeito aos direitos humanos do povo da Líbia." As informações são da Dow Jones. (Hélio Barboza)

Tudo o que sabemos sobre:
LíbiarebeldesObama

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.