Doug Mills/The New York Times
Doug Mills/The New York Times

Obama: políticos devem enfrentar 'déficit de confiança'

Presidente insistirá na reforma da saúde e se comprometerá com desafios dos EUA em discurso

AE-DOW JONES, Agencia Estado

27 de janeiro de 2010 | 22h37

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, deverá dizer mais tarde nesta quarta-feira, 27, no seu discurso sobre o Estado da União, que os republicanos e democratas precisam trabalhar juntos para enfrentar o "déficit de confiança" que se espalhou entre o público a respeito de Washington.  

 

Um ano de Obama:

linkEconomia: Recuperação não é consenso

linkEntrevista: Crescimento será menor, diz Nobel

blog Patrícia C. Mello: Do messiânico ao prosaico

especial Especial: Dez momentos do primeiro ano 

documento Artigo: Falta ação concreta a Obama

"Nós enfrentamos grandes e difíceis desafios e o que o povo americano espera - e o que ele merece - vale para todos nós, democratas e republicanos, para que trabalhemos as nossas diferenças, que superemos o peso das nossas políticas".

Obama também insistirá na defesa da reforma do sistema de saúde, atualmente parada no Congresso.

"Na hora em que eu acabar este discurso, mais americanos perderão suas coberturas de saúde", ele dirá. "Milhões perderão seus planos de saúde neste ano. Nosso déficit crescerá. Os prêmios pagos aos seguros subirão. Os pagamentos subirão. Pacientes terão negados os cuidados que precisam". "Eu não abandonarei esses americanos. E também não deveriam abandoná-los as pessoas nessa sala", dirá Obama, em discurso feito no Congresso.

Obama também pedirá "limites estritos" para as contribuições de lobistas a candidatos a cargos públicos federais.

Obama, de acordo com trechos do discurso antecipados pela Casa Branca, também se comprometerá a não se afastar dos desafios que os EUA enfrentam. Obama dirá que os americanos têm "dúvidas profundas e corrosivas" sobre como Washington trabalha.

Tudo o que sabemos sobre:
EuaObamaDiscurso

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.