Obama pressiona Congresso dos EUA a aprovar reforma de imigração

Presidente afirma que mudanças nas leis impulsionariam economia americana

Efe

10 de maio de 2011 | 17h09

Obama aposta na pressão popular para que a reforma seja aprovada.

 

WASHINGTON - O presidente de EUA, Barack Obama, pediu nesta terça-feira, 10, ao Congresso americano que aprove uma reforma das políticas de imigração do país para permitir a legalização dos cerca de 12 milhões de imigrantes ilegais que vivem no território americano. De acordo com Obama, a medida irá beneficiar a economia do país.

 

Em discurso feito na cidade de El Paso, no Texas, na fronteira com o México, Obama qualificou a reforma em questão de "imperativo econômico". Com a mudança nas leis, "não haverá uma imensa economia paralela que explore uma mão de obra barata, ao passo que torna mais baratos os salários de todos os demais", explicou o presidente.

 

Obama também pediu aos cidadãos que se mobilizem e "façam com que Washington saiba que há um movimento em favor da reforma que cresce com força de costa a costa". "Essas mudanças devem ser conduzidas por vocês, para ajudar-nos a conseguir uma reforma integral", continuou o presidente.

 

Este foi o segundo discurso de Obama sobre o tema desde que tomou posse. O presidente defendeu o projeto conhecido como Dream Act, que daria a possibilidade da legalização a estudantes que chegaram aos EUA sem documentos de imigração. O projeto não passou no Senado em dezembro, enfrentando a oposição de republicanos e alguns democratas.

 

Obama, porém, não revelou nenhuma estratégia específica para fazer com que o debate imigratório avance. Sabe-se apenas que ele recebeu líderes de grupos de imigrantes na Casa Branca e que há reuniões agendadas por membros do gabinete em todo o país, onde vivem quase 11 milhões de imigrantes ilegais. A reforma deve incluir a segurança da fronteira com o México, sanções para empresas que contratam estrangeiros ilegais e um processo claro para os que necessitam de documentos, lembrou o presidente.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAObamaimigraçãoreforma

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.