Obama promete a astronautas da Apollo investir na Nasa

Durante uma sessão de fotos com os três astronautas da missão Apollo 11, no Salão Oval da Casa Branca, em comemoração ao 40º aniversário da chegada do homem à Lua, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, prometeu ?continuar com a inspiradora missão? do programa espacial do país. O evento também teria o propósito de unir o passado da Agência Aeroespacial Norte-americana (Nasa, na sigla em inglês), representado por seus astronautas mais famosos - Neil Armstrong, Edwin ?Buzz? Aldrin e Michael Collins - e o seu futuro, representado pelo novo administrador da agência espacial, Charles Bolden, e sua vice, Lori Garver.

AE-AP, Agencia Estado

21 de julho de 2009 | 10h05

O presidente afirmou que a missão Apollo 11 sempre será lembrada como um exemplo da ?excelência em exploração?. ?Vocês inspiraram toda uma geração de cientistas e engenheiros, que acabaram gerando inovação, avanços, empreendedorismo e criatividade aqui na Terra?, completou. Obama também lembrou da infância: contou que, aos 8 anos, quando vivia no Havaí, subiu nos ombros do avô para tentar acenar aos astronautas da Apollo 11 com uma bandeira. Mas ontem ele não especificou como a Nasa poderia voltar ao mesmo ritmo da corrida espacial durante a Guerra Fria.

Buzz Aldrin, o segundo homem a pisar na Lua e o menos recluso dos três tripulantes da Apollo 11, afirmou recentemente, em aparições públicas e em artigo publicado anteontem pelo Estado, que o programa espacial norte-americano deve deixar a Lua de lado e investir em um esforço multinacional para levar uma missão tripulada a Marte. Seu colega Michael Collins concordou: ?Gostaria de ver Marte se tornar o foco, assim como John Kennedy focou a Lua?. Robert Gibbs, secretário de Imprensa da Casa Branca, afirmou que Obama ainda vai considerar os custos de missões de exploração tripulada do espaço. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAObamaApollo 11programa espacial

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.