Obama promete retomar esforços para fechar Guantánamo

O presidente norte-americano, Barack Obama, prometeu nesta terça-feira retomar os esforços para fechar a prisão de Guantánamo, onde os Estados Unidos mantêm mais de 160 suspeitos de "terrorismo" presos por tempo indeterminado e sem acusações pendentes.

AE, Agência Estado

30 de abril de 2013 | 18h09

Em uma entrevista coletiva concedida na Casa Branca para falar sobre os cem primeiros dias de seu segundo mandato, Obama também afirmou que existem evidências sobre o uso de armas químicas na Síria, mas ainda não está claro quem recorreu a esse tipo de armamento: se os rebeldes ou as forças do governo de Bashar Assad.

O fechamento da carceragem da base naval mantida pelos EUA em Cuba foi uma promessa de Obama em sua primeira campanha para a Casa Branca, em 2008, mas uma queda de braço com o Congresso impossibilitou a transferência dos detentos para prisões no país. Hoje, Obama prometeu voltar a negociar com o Congresso uma solução para o problema.

Atualmente, pelo menos cem dos 166 prisioneiros mantidos pelos EUA em Guantánamo estão em greve de fome. Desde o início de abril, advogados dos detentos afirmam que o número de detentos em greve de fome supera 130. Os prisioneiros iniciaram a greve de fome em fevereiro, em protesto contra o fato de estarem presos por tempo indeterminado com base em vagas acusações de "terrorismo".

"Não quero que essas pessoas morram", declarou Obama. Segundo ele, o Departamento de Defesa dos EUA (Pentágono) está fazendo o que há a seu alcance para contornar a situação.

Obama enfatizou que diversos extremistas foram julgados e condenados em tribunais civis norte-americanos, numa declaração dirigida a seus críticos no Congresso, segundo os quais suspeitos de "terrorismo" devem ser julgados pela justiça militar.

Ainda segundo Obama, uma avaliação da resposta ao atentado contra a maratona de Boston determinará o que mais pode ser feito pelo governo para impedir que pessoas que vivem nos EUA radicalizem suas posições ao ponto de planejarem ataques.

Em relação às armas químicas na Síria, Obama disse que isso "muda o jogo" e que seu governo avalia diversas alternativas para a Síria, mas evitou comentar sobre uma possível intervenção militar.

"Nós precisamos ter todos os fatos antes de agir. Mesmo assim, nós continuamos acreditando que o único caminho para a paz na Síria é a renúncia de Assad", afirmou.

Cortes automáticos - Obama disse hoje que continua trabalhando para reverter os cortes automáticos de gastos que entraram em vigor em março, mas que será preciso um amplo acordo sobre o Orçamento no Congresso para resolver a questão.

Obama comentou que os cortes de gastos desaceleram o crescimento econômico e provocaram perdas de empregos. "Os alertas que nós fizemos sobre os impactos dos cortes automáticos de gastos estão sendo vistos agora", afirmou o presidente. Ele comentou também sobre os atrasos de voos em função das licenças não remuneradas de controladores de tráfego aéreo e como isso prejudica a competitividade dos EUA.

O presidente afirmou que o Congresso é "bastante disfuncional", mas disse que ainda confia em um acordo sobre o Orçamento e que teve uma boa conversa com os senadores republicanos sobre o assunto. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAObamaentrevista

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.