Ramon Espinosa/ AP
Ramon Espinosa/ AP

Obama promete tirar Cuba da lista de patrocinadores do terrorismo

Retirada de Estado cubano da lista é um dos principais obstáculos ao restabelecimento total das relações diplomáticas entre Washington e Havana

O Estado de S. Paulo

07 de abril de 2015 | 09h25

WASHINGTON - O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, prometeu nesta terça-feira, 7, agir rapidamente assim que receber uma recomendação do Departamento de Estado sobre a remoção de Cuba da lista de países que patrocinam o terrorismo, um obstáculo que ainda resta para o restabelecimento das relações diplomáticas entre Washington e Havana.

Faltando poucos dias para uma cúpula das Américas no Panamá, onde Obama vai ficar cara a cara com o presidente de Cuba, Raúl Castro, ele não deu nenhum sinal claro sobre suas inclinações ou o prazo para a sua decisão. Obama ordenou a revisão da lista imediatamente depois de anunciar um avanço diplomático com Havana em 17 de dezembro.

Em uma entrevista à Reuters no início de março, Obama disse esperar que os Estados Unidos possam abrir uma embaixada em Cuba pela época da Cúpula das Américas, de 10 a 11 deste mês, e depois disso autoridades americanas vêm dizendo que a revisão está sendo acelerada.

Mas a falta de uma decisão até agora sobre a remoção de Cuba da lista negra do terrorismo – uma firme exigência do governo cubano – levanta sérias dúvidas sobre se a revisão será concluída a tempo de os EUA darem novos passos para a normalização das relações antes da cúpula.

"Assim que eu receber uma recomendação, vou estar em condições de agir quanto a isso", disse Obama em entrevista à Rádio Pública Nacional.

O presidente americano não deu nenhuma indicação sobre os rumos de seu governo na questão, mas deixou claro que sua decisão não terá como base se o governo cubano se envolve “em atividades repressivas ou autoritários em seu próprio país", mas suas atividades atuais “em matéria de terrorismo”.

Cuba foi incluída na lista de patrocinadores do terrorismo em 1982, quando dava apoio a grupos insurgentes marxistas. Atualmente, o país auxilia o processo de paz entre a guerrilha esquerdista Farc e o governo da Colômbia./ Reuters

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.