Obama propõe mais medidas para estimular a economia

O candidato democrata à presidência dos Estados Unidos, Barack Obama, voltou hoje sua atenção para os assuntos domésticos, declarando que a cambaleante economia americana já está numa situação de "emergência." Ele propôs cortes de impostos para a classe média e incentivos à construção civil e ao mercado imobiliário. Em um encontro com um painel de alto nível de conselheiros econômicos, Obama abordou o tema que provoca mais ansiedade nos eleitores americanos.Após um pacote federal de estímulo à economia e uma nova moção dirigida a resgatar o combalido mercado de crédito imobiliário, Obama disse no encontro de conselheiros: "Eu acredito que mais medidas serão necessárias. A situação de emergência na economia está cada vez mais severa," afirmou o democrata, referindo-se aos cortes de empregos nas companhias e ao aprofundamento na crise do crédito."E essa é uma emergência que você sente não apenas ao ler o The Wall Street Journal, mas viajando através de Ohio e Michigan até o Novo México e Nevada, você encontra pessoas dia após dia, com notícias de fechamento de negócios e próximas ao desastre econômico." O painel de conselheiros econômicos de Obama inclui o ex-secretário do Tesouro Robert Rubin, o ex-dirigente do Federal Reserve Paul Volcker, o investidor bilionário Warren Buffett e o dirigente do Google, Eric Schmidt. A proposta de Obama é cortar impostos para a classe média e aumentar para os ricos, estimular gastos do governo federal, e tomar medidas para incentivar novamente o mercado imobiliário e a construção. Ele argumenta que medidas de longo prazo são necessárias para fazer frente ao déficit do orçamento, que deverá atingir um recorde de US$ 482 bilhões no próximo ano fiscal. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.