Obama qualifica como produtiva sua viagem à China

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, qualificou sua visita à China como produtiva. "Uma relação que costumava concentrar-se apenas em questões econômicas e comerciais agora se expande para lidar com uma ampla gama de questões globais para as quais a cooperação entre Estados Unidos e China é fundamental."

AE, Agencia Estado

18 Novembro 2009 | 09h04

Obama se reuniu hoje com o primeiro-ministro Wen Jiabao e visitou a Grande Muralha antes de encerrar sua primeira visita oficial à China e partir com destino à Coreia do Sul. A conversa entre Obama e Wen teve como objetivo solidificar as relações entre os EUA e o gigante asiático em expansão.

Wen e Obama celebraram os esforços mútuos com o objetivo de estabelecer uma nova e elaborada parceria bilateral ao iniciarem suas discussões antes de um almoço de trabalho. "O diálogo é melhor do que o confronto e a parceria é melhor do que a disputa", declarou Wen. "Espero sinceramente que com essa visita à China, senhor presidente, nós sejamos capazes de levar a um novo nível o relacionamento amplo e cooperativo entre nossos países", prosseguiu o primeiro-ministro.

O líder norte-americano se reuniu ontem com o presidente da China, Hu Jintao. Os dois concordaram em trabalhar em conjunto uma série de temas, desde as mudanças climáticas ao programa nuclear bélico da Coreia do Norte, mas as divergências ficaram evidentes em questões como o Irã e o valor da moeda chinesa.

Depois do almoço de trabalho com Wen, Obama visitou a Grande Muralha da China. Ele qualificou a fortificação como "espetacular" e disse que a estrutura o ajudou a ter "uma boa perspectiva das coisas cotidianas". Após a visita à Grande Muralha, Obama embarcou com destino à Coreia do Sul, última escala de um giro por quatro países asiáticos. Antes de viajar à China, Obama esteve no Japão e em Cingapura. As informações são da Dow Jones.

Mais conteúdo sobre:
EUA Ásia China visita

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.