Obama quer evitar 'cultura militarizada' na polícia

O presidente americano, Barack Obama, pediu recomendações concretas de agências federais nesta segunda-feira para garantir que os EUA não estão construindo uma "cultura militarizada" dentro da polícia. Obama defendeu o uso de câmeras de corpo por policias após um grand jury decidir não condenar um policial branco pela morte de um adolescente negro desarmado em Ferguson, no estado do Missouri.

Estadão Conteúdo

01 de dezembro de 2014 | 21h41

Obama discursou uma após reunião com prefeitos, líderes dos direitos civis e autoridades judiciais e policiais na Casa Branca para discutir uma recente completa revisão dos programas federais que fornecem equipamento do estilo militar para departamentos de polícia locais, do tipo usado para dispersar protestos em Ferguson após a morte de Michael Brown. Apesar de não pedir para encerrar tais programas, Obama afirmou que há necessidade de criar transparência e confiança entre a polícia e as comunidade. "Isso não é um problema apenas de Ferguson. Este é um problema nacional", afirmou Obama.

Em paralelo à reunião, a Casa Branca anunciou que quer que mais policiais usam câmeras que capturam as suas interações com os civis. Os instrumentos são parte de um pacote de gastos de US$ 263 milhões para ajudar os departamentos de polícia a melhorar suas relações com a comunidade. Do total, US$ 74 milhões serão usados para ajudar a pagar por 50 mil câmeras pequenas de lapela que registram os policiais no trabalho. Os governos estaduais e locais vão arcar com metade do custo. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAFergusonpolícia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.