Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Obama quer fechar Guantánamo logo, diz conselheiro

Conselheiros do presidente eleito dos Estados Unidos, Barack Obama, disseram que ele prepara uma ordem para fechar a prisão da base naval da Baía de Guantánamo (Cuba) na primeira semana de governo. Segundo os dois funcionários, que são da equipe de transição de Obama, o presidente eleito deverá assinar a medida na primeira semana de governo, a partir da posse no dia 20, ou até mesmo no primeiro dia de governo.Mas é pouco provável que a prisão, onde a administração Bush encarcerou sem julgamento os suspeitos de terrorismo, seja fechada rapidamente. Em entrevista na semana passada, Obama disse que seria "um desafio" fechar a prisão de Guantánamo nos primeiros 100 dias de governo.A ordem para o fechamento, no entanto, poderá começar o processo de decidir o que fazer com os cerca de 250 detentos suspeitos de pertencerem ao grupo fundamentalista Taleban e à rede terrorista Al-Qaeda que estão presos em Guantánamo. Muitos deles nem foram acusados.A ordem sobre Guantánamo será uma das várias medidas executivas que Obama prepara para seus primeiros dias de governo. Também é esperada uma ordem contra os métodos de interrogatórios de suspeitos, usados na atual administração. Os dois conselheiros falaram sob anonimato porque não estão autorizados a falar sobre ordens cujas redações ainda não estão completas. Segundo eles, cada um dos 250 detidos em Guantánamo terá a situação analisada por funcionários americanos, que decidirão se eles serão libertados ou mantidos presos e onde. A porta-voz da equipe de transição de Obama, Brooke Anderson, não quis comentar as informações.Calderón Nesta segunda-feira, Obama teve uma reunião de trabalho com o presidente do México, Felipe Calderón. Ambos se encontraram no Instituto Cultural Mexicano em Washington, onde almoçaram e analisaram dois problemas críticos para ambos os países: a imigração e o narcotráfico. Os dois comeram tortilhas e também conversaram sobre o Tratado de Livre-Comércio da América do Norte (Nafta, na sigla em inglês), que Obama criticou muito durante a campanha.Obama disse que a mensagem que ele levou ao almoço com Calderón é que sua administração está pronta a construir uma sólida amizade com o México já a partir do primeiro dia de governo. Obama disse que as atuais relações de amizade entre os países são "fortes" mas podem melhorar ainda mais.

AE/AP, Agencia Estado

12 de janeiro de 2009 | 19h06

Tudo o que sabemos sobre:
EUAGuantánamo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.