Obama quer ratificar tratado de não proliferação nuclear

Milhares de pessoas se reuniram nesta manhã em Praga (República Checa) para ouvir o discurso do presidente Barack Obama, que viajou ao país para a reunião da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan). Obama exortou os europeus a se unirem com os EUA para enfrentar os problemas globais, em um "mundo cada vez menos dividido e mais interligado".

Agencia Estado

05 de abril de 2009 | 06h10

O presidente disse que a Coreia do Norte mais uma vez violou as regras internacionais ao realizar, mais cedo, o lançamento de um míssil sobre o Japão. "É hora de uma forte resposta internacional e a Coreia do Norte precisa saber disso", disse, acrescentando, porém ser a favor de uma solução diplomática: "Acreditamos no diálogo."

Obama disse que trabalhará para que os Estados Unidos ratifiquem o Tratado de Não Proliferação de Armas Nucleares. "Cada vez mais nações têm acesso a estas armas, os testes continuam e o comércio é crescente. Precisamos lutar por um regime de não proliferação". Segundo ele, a existência de milhares de armas nucleares foi a pior herança deixada pela Guerra Fria.

Tudo o que sabemos sobre:
Coreia do NorteObamaOtan

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.