Obama recebe apoio de rei saudita para ações na Síria

O presidente dos EUA, Barack Obama, ligou para o líder da Arábia Saudita, rei Abdullah bin Abdulaziz, nesta quarta-feira e conversou com ele sobre a necessidade de ampliar o treinamento e o envio de equipamentos para a oposição moderada síria, que poderia combater os militantes do Estado Islâmico. Segundo declaração publicada pela Casa Branca nesta quarta-feira, eles compartilharam suas preocupações com o avanço do grupo extremista no norte do Iraque e na Síria, onde já tomaram o controle de diversas cidades.

THIAGO MORENO, Estadão Conteúdo

10 de setembro de 2014 | 17h04

Obama agradeceu ao rei Abdullah por ter recebido seu secretário de Estado, John Kerry, na cidade de Jeddah nesta semana. Kerry viajou à Arábia Saudita para se reunir com os países do golfo pérsico, o Iraque, a Jordânia, o Egito, o Líbano e a Turquia para avançarem no esforço de criação de uma coalização regional e internacional contra o Estado Islâmico.

De acordo com a Casa Branca, a proposta de ampliar o apoio à oposição Síria apresentada pelo presidente ao líder saudita está em linha com o que Obama havia declarado ao Congresso. O norte-americano recebeu o apoio do o rei Abdullah a seus esforços. Eles concordaram que os militantes moderados sírios serão essenciais no combate tanto ao Estado Islâmico como ao regime do presidente Bashar al-Assad, que "perdeu toda a sua legitimidade".

Obama e o líder saudita também discutiram os desenvolvimentos do conflito no Iêmen e reiteraram seu compromisso de apoiar o presidente Abd Rabbuh Mansur Al-Hadi na busca por uma solução sustentável para as tensões recentes com o movimento Hawthi. Manifestantes do grupo xiita têm movimentado as ruas da capital iemenita, Sanaa, pedindo que o governo restitua os subsídios à gasolina e, então, renuncie.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.