Arquivo/AP
Arquivo/AP

Obama recebe Mitt Romney na Casa Branca

Por tradição, recepção é sinal de união nacional; republicano estaria sendo cotado para gabinete, diz jornal

Denise Chrispim Marin, correspondente em Washington,

29 de novembro de 2012 | 21h11

WASHINGTON - Como é de costume, o presidente dos EUA, Barack Obama, recebeu nesta quinta-feira, 29, seu adversário nas eleições de 6 de novembro, o republicano Mitt Romney, para um almoço na área residencial da Casa Branca. O evento fechou de vez o ciclo eleitoral de 2012, no qual Obama e Romney trocaram acusações duras e autorizaram propagandas agressivas.

Com a conversa, o presidente reeleito também cumpriu uma promessa de seu discurso de vitória, em Chicago. Na ocasião, Obama afirmou que gostaria de "trocar ideias" com Romney sobre como impulsionar a economia, criar mais empregos e promover uma reforma do governo federal.

"Ele apresentou algumas ideias durante a campanha com as quais eu concordo", afirmou o presidente em seu discurso de vitória, indicando a vontade de reduzir a polarização política entre democratas e republicanos.

De acordo com o Washington Post, Obama poderia convidar o republicano para sua equipe de governo, à frente do Departamento de Comércio. Há precedentes: o democrata Franklin Delano Roosevelt fez de seu rival nas eleições de 1940, Wendell Willkie, seu aliado. Willkie tornou-se representante pessoal do presidente na Grã-Bretanha, no Oriente Médio, na União Soviética e na China.

A expectativa de alguns setores de que Romney pudesse se tornar um mediador nas negociações entre a Casa Branca e a bancada republicana do Congresso sobre o pacote fiscal arruinou-se em sua origem. Romney, apesar de ter sido escolhido candidato presidencial, não é um líder de seu partido nem tem influência sobre as posições gerais dos republicanos. Seu programa de governo foi escrito, em grande parte, pelos radicais do partido. Em especial, o capítulo sobre as contas públicas.

O encontro deu-se na área residencial da Casa Branca, durou pouco mais de 1 hora e não foi acompanhado por assessores. Apenas os dois ex-rivais almoçaram e conversaram. Segundo o porta-voz da Casa Branca, Jay Carney, foi um gesto simbólico de como as transferências de poder ocorrem nos Estados Unidos. "O presidente considera importante continuar com essa tradição", explicou Carney.

Em janeiro de 2009, Obama ofereceu a seu ex-oponente na eleição de 2008, o senador John McCain, um jantar. O evento foi acompanhado pela imprensa. O então presidente George W. Bush recebeu seu opositor na eleição de 2000, Al Gore, no Salão Oval, para celebrar o Prêmio Nobel concedido ao democrata. Bill Clinton não só recepcionou como condecorou o republicano Bob Dole, em 1996, com a Medalha da Liberdade. 

Tudo o que sabemos sobre:
Barack ObamaMitt RomneyCasa Branca

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.