Obama recua sobre prisão de professor negro

Presidente, que chamou ação policial de ?estúpida?, diz que ?deveria ter escolhido melhor? suas palavras

AP E REUTERS, O Estadao de S.Paulo

25 de julho de 2009 | 00h00

O presidente dos EUA, Barack Obama, desculpou-se ontem por ter chamado de "estúpida" a ação da polícia da cidade de Cambridge, no Estado de Massachusetts, que na semana passada prendeu Henry Louis Gates, professor negro da Universidade de Harvard, que havia sido confundido com um ladrão ao tentar entrar em sua própria casa."Pelo fato de o comentário ter ganhado outras proporções, que eu mesmo ajudei a ampliar, gostaria de deixar claro que não quis depreciar o trabalho da polícia de Cambridge", disse o presidente. "Eu deveria ter escolhido melhor as palavras."Gates, amigo de Obama e um dos especialistas em questões raciais mais conhecidos dos EUA, contou que voltava de viagem por volta das 13 horas do dia 16 quando encontrou a porta de casa arrombada e tentou forçá-la para entrar. Uma vizinha chamou a polícia achando que o professor era um ladrão. Quem atendeu ao chamado foi o sargento James Crowley, que é branco. Quando ele chegou ao local, encontrou o professor falando ao telefone com a empresa responsável pela segurança da propriedade.DESCULPASCrowley teria pedido um documento de identidade a Gates, que se recusou a mostrá-lo e acusou o policial de racismo. "Assim é que os negros são tratados nos EUA", gritou o professor, que foi autuado por "perturbar a ordem pública".Gates garante que se identificou quando Crowley pediu. Muito nervoso, o professor exigiu um pedido de desculpas e disse que prestaria queixa por causa do tratamento que recebeu. Crowley recusou-se a pedir desculpas e afirmou que apenas seguiu o protocolo."A polícia atuou de forma estúpida ao prender alguém na porta de sua própria casa", disse Obama, na quinta-feira, ao ser questionado sobre a prisão do amigo. "Existe neste país um longo histórico de prisões arbitrárias de negros e latinos pela polícia."Os comentários reacenderam o debate sobre racismo nos EUA e foram rejeitados pelos policiais de Cambridge. Crowley afirmou que não fez nada errado e foi Gates quem usou palavrões no momento da ação policial. "Ele (Obama) precisava primeiro saber de todos os fatos antes de fazer qualquer comentário", disse Crowley. O presidente da associação de policiais de Cambridge, Dennis O?Connor, disse que os comentários de Obama foram "mal direcionados" e a polícia "lamenta a insinuação" de que a cor de Gates tenha influenciado em sua prisão. CERVEJAUm grupo de policiais de Massachusetts divulgou ontem um comunicado apoiando Crowley e exigindo um pedido de desculpas de Obama. Para evitar que a polêmica se prolongasse, o presidente resolveu recuar.Obama realizou uma inesperada entrevista coletiva ontem, após ter telefonado para Crowley e Gates. O presidente disse que chamou os dois brigões para tomar uma cerveja na Casa Branca.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.