Obama saúda decisão judicial sobre casais homossexuais

O presidente Barack Obama saudou a decisão da Suprema Corte que diz que casais formados por pessoas do mesmo sexo têm direito aos mesmos benefícios federais de casais heterossexuais. Ele declarou que o tribunal "corrigiu um erro e nosso país está melhor por causa disso".

Agência Estado

26 Junho 2013 | 15h41

Em 2011, Obama decidiu parar de defender a lei de 1996, chamada de Lei da Defesa do Matrimônio (Defense of Marriage Act, ou DOMA) concluindo que ela era legalmente indefensável. Em comunicado divulgado enquanto ele estava a bordo do Air Force One, a caminho da África, nesta quarta-feira, o presidente disse que encarregou o procurador-geral Eric Holder para trabalhar com outros integrantes do governo para assegurar que a lei federal reflita a decisão do tribunal.

"Isto era discriminação consagrada em lei", disse ele. "Nós somos um povo que declara que todos são criados iguais e o amor que confiamos um ao outro deve ser igual também."

Ao reconhecer que muitos norte-americanos são contra o casamento gay por razões religiosas, ele destacou que nada na decisão do Judiciário muda a forma como as instituições religiosas definem e consagram o casamento.

A declaração foi divulgada momentos depois de o presidente ter telefonado para parabenizar o ativista dos direitos dos gays Chad Griffin e os eleitores da Califórnia sobre a decisão. "Com sua coragem, vocês ajudam um monte de gente", disse Obama a eles.

O porta-voz da Casa Branca, Jay Carney, disse a jornalistas que viajam no avião presidencial com Obama, que funcionários do governo estavam "monitorando as notícias sobre a decisão on-line" do Air Force One. Segundo ele, no momento em que foi divulgada a decisão sobre a revogação da seção da Lei de Defesa do Matrimônio que define o casamento como sendo o enlace entre uma mulher e um homem, o jato presidencial havia perdido a conexão com a internet.

Carney disse que funcionários da Casa Branca ligaram para o avião presidencial e forneceram mais detalhes sobre a decisão. O porta-voz disse que Obama conversou com Griffin e com um grupo de eleitores pelo telefone, que foi colocado no viva-voz, e disse a eles que "a decisão de hoje é uma vitória", embora o tribunal não tenha diretamente tratado da Proposição 8, a emenda constitucional da Califórnia que proíbe o casamento gay. Mas a decisão abriu o caminho para a retomada do casamento em pessoas do mesmo sexo no Estado, que é o mais populoso dos Estados Unidos. Fonte: Associated Press e Dow Jones.

Mais conteúdo sobre:
EUAcasamento gayObama

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.