Obama se aproxima de indicação histórica à Presidência dos EUA

Barack Obama está prestes a setornar o vencedor da longa disputa democrata pela indicação àPresidências dos Estados Unidos, graças a um fluxo constante dedelegados rumo à sua candidatura. Obama recebeu o apoio de pelo menos 20 superdelegados --dirigentes partidários e ocupantes de cargos eletivos, cujovoto não depende das eleições primárias -- e de 10 delegadoscomprometidos com o ex-adversário John Edwards. Isso deixa o senador a menos de 15 delegados dos 2.118necessários para vencer a convenção democrata de agosto. Eledeve alcançar essa marca na noite de terça-feira, quando sãoeleitos os 31 últimos delegados, por Montana e Dakota do Sul. A adversária dele, Hillary Clinton, disse emteleconferência com parlamentares de Nova York que estaria"aberta" a ser candidata a vice de Obama. Mas o comitê delanegou que Hillary vá usar um comício de terça-feira à noite emNova York, Estado pelo qual é senadora, para reconhecer avitória do rival. "A luta pela indicação vai até que alguém consiga o númeromágico, e isso não está aí hoje e não é de jeito nenhum o que asenadora Clinton vai falar a respeito nesta noite", disse TerryMcAuliffe, chefe da campanha dela, à CNN. A votação termina às 19h em Dakota do Sul (22h em Brasília)e uma hora depois em Montana. Ainda há cerca de 150 superdelegados indecisos, e o fim doprocesso de eleições primárias -- que durou cinco meses -- podedisparar uma onda em torno de Obama. O comitê dele vem pedindoque os superdelegados façam essas declarações de voto enquantoas urnas ainda estão abertas, para que ele alcance o "númeromágico" com os delegados eleitos nos dois Estados. Um grupo de 17 senadores democratas indecisos se reuniupara discutir a hora certa de declarar apoio. Eles voltam a seencontrar na quarta-feira. Nos últimos dois dias, o comitê de Hillary emite sinaiscontraditórios sobre a permanência dela na disputa a partir dequarta-feira. Fazendo campanha na segunda-feira em Dakota do Sul, eladisse que o fim das primárias marca "o começo de uma nova faseda campanha", em que ela tentará convencer os superdelegados deque é a candidata com mais chances de derrotar o republicanoJohn McCain na eleição geral de novembro. Agora que a trilha da campanha chegou ao fim, assessoresdela foram orientados a se dirigir a Nova York ou a irem parasuas cidades até segunda ordem. Na quarta-feira, Obama e Hillary tem um discurso marcado nasede de uma entidade pró-Israel, em Washington. Obama contou a jornalistas que, ao falar com Hillary nodomingo para cumprimentá-la pela vitória de Porto Rico, elesugeriu a ela que "quando a poeira baixar eu queria encontrá-lana hora e lugar que ela escolhesse". (Reportagem adicional de Caren Bohan, Doina Chiacu, ThomasFerraro, Jackie Frank e Ellen Wulfhorst)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.