Jacquelyn Martin/AP
Jacquelyn Martin/AP

Obama se autoparodia e lança dardos contra republicanos em jantar anual

Presidente americano brincou durante evento tradicional com problemas de sua gestão em 2013

Efe

04 Maio 2014 | 14h41

WASHINGTON - O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, ironizou nesse sábado seus rivais republicanos e recorreu à autoparódia para comentar seu problemático 2013, incluindo o fracassado início da reforma da saúde, durante a tradicional jantar anual de correspondentes da Casa Branca.

"Habitualmente começo estes jantares com brincadeiras sobre mim mesmo, mas após me estatelar em 2013 de que posso falar?", começou Obama, em referência aos problemas ocorridos no ano passado que afundaram seus índices de popularidade para mínimos históricos.

Quase 3 mil convidados se reuniram no grande salão do Hotel Hilton para homenagear a Associação de Correspondentes da Casa Blanca, no centenário da primeira edição do evento, que pretende aproximar com humor os trabalhos dos jornalistas que cobrem a informação do presidente e os funcionários da Administração dos EUA.

"As pessoas dizem que com minhas pesquisas em baixa meus companheiros democratas não querem fazer campanha comigo. E não acho que seja certo, embora seja verdade que notei como no outro dia minha filha Sasha precisava de um porta-voz na escola e decidiu convidar Bill Clinton", disse Obama, acompanhado por sua esposa, Michelle.

Não evitou, além disso, os comentários sobre o "Obamacare", como é conhecida popularmente a reforma da saúde cujo lançamento oficial, em outubro do ano passado, apresentou vários erros no sistema de informática que o coordenava.

Ao anunciar uma mensagem gravada de homenagem à organização anfitriã, viu como o vídeo foi bloqueado repetidamente e decidiu ligar para a ex-secretaria de Saúde Kathleen Sebelius, responsável pelo lançamento e alvo das críticas mais fortes.

"Alguém pode me ajudar a consertá-lo?", perguntou perante os risos da audiência ao ver Sebelius entrar.

Além disso, aproveitou a ocasião para lançar dardos contra os republicanos e o canal televisivo Fox, um de seus mais ferrenhos opositores.

"Devem aceitar isso na Fox. Sentirão saudades de mim. Será muito mais difícil convencer os americanos que Hillary Clinton nasceu no Quênia", disse Obama perante os risos da seleta audiência composta por jornalistas, celebridades e influentes personalidades dos EUA.

Esta é uma festa pensada originalmente para os jornalistas, mas nos últimos anos se transformou em um desfile de artistas de cinema, televisão e música que se reúnem na capital dos EUA na multidão de festas organizadas por patrocinadores, meios de imprensa e grupos de pressão.

Entre os presentes a esta edição figuravam o ator Robert de Niro, a atriz Lupita Nyong'o, o magnata cinematográfico Harvey Weistein e a estrela francesa Julie Delpy.

Mais conteúdo sobre:
ObamaCasa BrancaObamacare

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.