AP Photo/Desmond Boylan
AP Photo/Desmond Boylan

Obama se despede de Raúl Castro em aeroporto e conclui visita a Cuba

O Air Force One presidencial decolou às 16h20 (horário local, 17h20 de Brasília) e Obama, sua mulher Michelle, suas filhas Malia e Sasha, e sua sogra partiram rumo à Argentina, segunda parte de sua viagem pela América Latina

O Estado de S. Paulo

22 de março de 2016 | 18h29

HAVANA - O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, concluiu nesta terça-feira, 22, uma histórica e intensa visita de três dias a Cuba, e seu homólogo cubano, Raúl Castro, despediu-se dele e de sua família no aeroporto de Havana.

O Air Force One presidencial decolou do aeroporto José Martí da capital cubana às 16h20 (horário local, 17h20 de Brasília), de onde Obama, sua mulher Michelle, suas filhas Malia e Sasha, e sua sogra partiram rumo à Argentina, segunda parte de sua viagem pela América Latina.

Obama fechou assim sua primeira visita oficial a Cuba na qual se reuniu com Raúl Castro e com representantes da sociedade civil como dissidentes e empreendedores do setor privado, além de fazer um discurso ao povo cubano.

Também se despediram de Obama no aeroporto o chanceler Bruno Rodríguez, a diretora para a América do Norte do Ministério das Relações Exteriores cubano, Josefina Vidal - que lidera o lado cubano nas negociações para normalizar relações -, o encarregado de negócios da embaixada dos EUA em Havana, Jeffrey DeLaurentis, e o embaixador cubano em Washington, José Ramón Cabañas.

Raúl Castro também acompanhou Obama hoje no início do simbólico amistoso de beisebol entre a seleção nacional de Cuba e o Tampa Bay Rays, equipe da Flórida, no Estádio Latino-Americano de Havana, um esporte que uniu os dois países durante todos estes anos.

No último dia de sua visita de três dias à ilha - a primeira de um presidente dos EUA em 88 anos - Obama também fez um discurso ao povo cubano, transmitido ao vivo pela televisão e rádio estatais, no qual apelou à reconciliação de cubanos e americanos e defendeu os valores da democracia.

Depois se reuniu, na delegação dos EUA em Havana, transformada em embaixada em julho do ano passado, com figuras destacadas da dissidência e representantes da sociedade civil independente, como blogueiros, ativistas de direitos LGBT e até mesmo um rapper crítico, aos quais elogiou por sua "coragem".

Obama, que chegou à ilha no domingo passado acompanhado de sua família e uma ampla comitiva de funcionários e congressistas americanos, fechou hoje sua primeira visita oficial a Cuba, que tinha o objetivo de apoiar o degelo diplomático anunciado há 15 meses. / EFE

Mais conteúdo sobre:
CubaEUABarack ObamaRaúl Castro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.