Obama se dispõe a cooperar com informações sobre a ditadura Pinochet

Estados Unidos apoiaram golpe em Salvador Allende que instalou regime autoritário no Chile em 1973; em disucurso presidente norte-americano disse que 'não podemos ficar presos pelo passado'

estadão.com.br

21 de março de 2011 | 16h18

Obama e Piñera na coletiva de imprensa no La Moneda em Santiago. Foto: Jason Reed/Reuters

 

Em sua primeira aparição pública no Chile, onde chegou nesta segunda-feira após passagem pelo Brasil, o presidente dos Estados Unidos Barack Obama afirmou que seu país está disposto a cooperar com quaisquer informações que tenha relativas ao período da ditadura de Augusto Pinochet (1973-1990). Os Estados Unidos apoiaram o golpe que derrubou o presidente eleito Salvador Allende, episódio que desencadeou um dos regimes mais sangrentos da América Latina.

 

Obama, que logo após aterrissar em Santiago rumou para o Palácio de La Moneda para encontrar-se com seu homólogo Sebastián Piñera, disse ainda ser "importante compreender nossa história, mas que não fiquemos presos por ela". O líder norte-americano exaltou o papel de liderança cada vez maior do Chile na América Latina e salientou esperar que a associação dos dois países seja ainda mais forte nos próximos anos.

 

Chile e Estados Unidos têm uma sólida e privilegiada relação comercial. Obama afirmou que pretende ampliar o tratado de livre comércio entre as duas nações. "O que me emociona mais é que em um país como o Chile, não se trata mais do que podemos dar ao Chile, mas do que o Chile pode dar a nós", elogiou Obama.

 

O presidente norte-americano vai dar ainda um esperado discurso no qual deve anunciar as intenções de seu país para a América Latina. Obama passou dois dias no Brasil, em Brasília e no Rio - sem fazer nenhum pronunciamento mais contundente em termos políticos. Depois do Chile, ele segue nesta terça para El Salvador, encerrando seu 'tour' no continente vizinho ao seu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.