Obama supera McCain em 10 pontos, indica pesquisa

O senador democrata Barack Obama, impulsionado pelas preocupações com a economia entre os eleitores dos Estados Unidos, superou o republicano John McCain por 53% a 43%, em uma pesquisa divulgada hoje. Os responsáveis pela pesquisa ABC News/Washington Post afirmaram que nenhum candidato conseguiu reverter uma vantagem tão expressiva desde 1936.Quase nove entre dez eleitores registrados se disseram preocupados com o rumo da economia. Já sete em cada dez se mostraram preocupados com as finanças da própria família. Para 55%, a economia é o tema mais importante da eleição presidencial, indica a pesquisa. Apenas 44% dos consultados se mostraram confiantes de que terão dinheiro para a aposentadoria, bem abaixo dos 69% registrados há três anos.Obama é o mais indicado para lidar com os problemas na economia para 53% dos eleitores. Já McCain é o favorito nesse quesito para 37% dos eleitores consultados. Um recorde de 90% dos eleitores apontaram que o país está seriamente fora do rumo que deveria seguir. É o maior índice nesse quesito desde que a pergunta começou a ser feita, em 1973.Já a aprovação do presidente George W. Bush caiu para 23%, um novo recorde negativo. A desaprovação a Bush subiu para 73%. A pesquisa tem uma margem de erro de três pontos percentuais, para mais ou para menos.DivisãoSegundo a sondagem Associated Press/GfK Poll, 44% dos eleitores independentes apóiam Obama, ante 41% que preferem McCain. Nos últimos anos, o número de democratas superou o de republicanos no país. A maioria dos independentes disse preferir um presidente que saiba lidar com o tema da economia e, para a maioria deles, Obama é o mais adequado para lidar com o problema econômico.A candidata à vice republicana, Sarah Palin, teve aprovação mais baixa que os candidatos à presidência e que o candidato à vice democrata, Joe Biden. Para apenas 22% dos consultados a governadora do Alasca poderia se sair bem no poder. Essa pesquisa tem margem de erro de 7,7 pontos percentuais, para mais ou para menos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.