AP Photo/Lee Jin-man
AP Photo/Lee Jin-man

Obama telefona para líderes da Coreia do Sul e Japão e pede resposta unida a teste nuclear

Presidente dos EUA reforça que Coreia do Norte foi 'inconsequente' e violou resoluções do Conselho de Segurança da ONU

O Estado de S. Paulo

07 Janeiro 2016 | 09h02

SEUL - O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, telefonou para os líderes de Japão e Coreia do Sul pedindo uma "resposta internacional unida e forte" ao teste nuclear norte-coreano realizado na quarta

A presidente da Coreia do Sul, Park Geun-hye, e Obama conversaram por telefone por 20 minutos nesta quinta-feira, 7, informou o gabinete da presidente sul-coreana, sem dar detalhes da conversa.

Obama também conversou por telefone, mas ainda na quarta-feira com o premiê japonês, Shinzo Abe, sobre a resposta internacional ao teste nuclear, de acordo com a Casa Branca. Os dois líderes "concordaram em trabalhar juntos para montar uma forte resposta unificada e internacional ao comportamento inconsequente mais recente da Coreia do Norte", informou a Casa Branca.

O presidente americano ressaltou, assim como os líderes asiáticos, que o teste nuclear norte-coreano "constitui uma nova violação das obrigações e compromissos sob a legislação internacional, entre elas várias resoluções do Conselho de Segurança da ONU", da Coreia do Norte.

O secretário de Estado dos EUA, John Kerry, conversou com o ministro das Relações Exteriores sul-coreano, Yun Byung-se, e com o responsável da diplomacia japonesa, Fumio Kishida, para coordenar uma reposta "unificada" ao teste de Pyongyang.

Segundo o porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, John Kirby, Kerry reiterou o compromisso dos EUA com a segurança dos dois países. Kerry também ressaltou a importância da cooperação trilateral entre Seul, Tóquio e Washington diante do desenvolvimento nuclear norte-coreano.

O teste. A Coreia do Norte anunciou na quarta 6 que testou com sucesso uma bomba de hidrogênio, um tipo de ogiva nuclear que permite uma detonação em duas fases, mais potente e em menos espaço, que uma ogiva nuclear normal.

Detectores sísmicos registraram um tremor consistente com um teste nuclear subterrâneo na Coreia do Norte, mas Washington dúvida que Pyongyang tenha conseguido desenvolver com sucesso uma bomba de hidrogênio e o teste tenha sido realizado com um artefato de menor poder.

Segundo a ONU, o evento sísmico que aconteceu é consistente com um teste nuclear de mesma intensidade realizado pela Coreia do Norte em 2013.

EUA, Japão e Coreia do Sul solicitaram uma reunião urgente do Conselho de Segurança da ONU para impor mais sanções à Coreia do Norte após o teste nuclear, que deixa a comunidade internacional em alerta. /EFE e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.