Obama telefona para Lula e promete visitar o Brasil

Na conversa, americano afirma desejo de trabalhar com o País em temas econômicos e estratégicos

Leonencio Nossa e Denise Chrispim Marin, O Estadao de S.Paulo

27 de janeiro de 2009 | 00h00

Em um telefonema de surpresa, o presidente dos EUA, Barack Obama, disse no início da noite de ontem ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva que instruiu sua equipe econômica para aproximar posições com o Brasil antes da reunião do G-20 (em abril), informou o porta-voz do Palácio do Planalto, Marcelo Baumbach.A conversa entre os dois presidentes ocorreu num clima "agradável", relatou um assessor. "Por favor, me chame de Barack", disse Obama, segundo o assessor. "Tudo bem, eu chamo você de Barack e você me chama de Lula", respondeu o presidente brasileiro. Obama deu demonstrações da importância do Brasil no debate internacional. Lula disse a Obama que era preciso ampliar o G-8, o grupo dos países mais ricos. "É verdade, precisamos trazer mais interlocutores para essa discussão", respondeu Obama.O telefonema começou às 18h15 e terminou às 18h40. Obama convidou Lula a visitá-lo em Washington. "Vou estar em Nova York em março para um seminário com investidores", disse Lula. "Se você puder vir a Washington será bom, e quando eu puder, retribuo a visita", afirmou Obama. Ficou acertado que Lula estará na Casa Branca em março e Obama virá ao Brasil ainda neste ano.Obama, segundo Baumbach, disse que é necessário fomentar o comércio internacional para que haja melhores condições de combater a crise. "Quero reiterar o apreço pelas relações entre os EUA e o Brasil", disse o presidente americano. "Desejo trabalhar de forma coordenada com você, Lula, para garantir a paz no continente (americano) e o fortalecimento das relações econômicas entre os dois países." Lula disse ter assistido à posse de Obama pela TV e se impressionado com o número de negros pobres na festa. "Eu entendo a grande expectativa em relação a você, pois o Brasil é a segunda maior nação negra do mundo", afirmou Lula. "É verdade, se eu fosse ao Brasil todos pensariam que sou brasileiro até tentar falar português", respondeu Obama, rindo. Lula disse a Obama que sua eleição influenciará positivamente a imagem que a América Latina tem dos EUA. Baumbach informou ainda que Lula apresentou a Obama alguns pontos de uma agenda que pretende que seja comum aos dois países. Lula mencionou, entre outros pontos, uma política de biocombustíveis, o combate às mudanças climáticas, a relação com a África, a relação com os outros países da América Latina e o G-20.Obama, segundo Baumbach, disse concordar com a agenda e acrescentou que considera importante a continuação das discussões da Rodada Doha para enfrentar a crise internacional. A secretária americana de Estado, Hillary Clinton, telefonou às 21h para o chanceler Celso Amorim. Os dois destacaram que agora haverá mais afinidades para aprofundar a cooperação bilateral em várias áreas. Hillary elogiou o papel do Brasil na busca de uma solução para a recente guerra em Gaza e o progresso econômico do País.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.