Obama tenta deixar polêmica do pastor para trás

O pré-candidato democrata à CasaBranca Barack Obama tentou na quarta-feira deixar para trás apolêmica relativa aos comentários de teor racial do seuex-pastor, preferindo enfocar questões da economia doméstica. Ao contrário de seus rivais Hillary Clinton e John McCain,Obama é contra a proposta de suspender um imposto de 4,87centavos de dólar por litro de gasolina durante o verão. Fazendo campanha em Indiana, que faz eleição primária naterça-feira, junto com a Carolina do Norte, Obama decidiu falardo preço da gasolina e do mercado de trabalho na esperança deencerrar a polêmica provocada por declarações do pastorJeremiah Wright, como a de que os EUA foram parcialmenteresponsáveis por sofrerem os atentados de 11 de setembro de2001 e de que o governo do país difundiu a Aids de propósitoentre os negros. Obama rompeu publicamente com o pastor e nesta semana fezduras críticas a ele. "A situação com o reverendo Wright foidifícil, não vou mentir para vocês", disse ele a umparticipante de uma mesa-redonda em Indianápolis. "Mas, francamente, o que ele disse nos últimos dias, e emalguns sermões que foram citados, eram inaceitáveis e não eramcoisas em que acreditássemos", afirmou. "Porém, o que queremos fazer agora é garantir que isso nãocontinue sendo uma distração perpétua", acrescentou. Os sermões de Wright têm sido muito usados contra Obama porseus adversários, o que dificulta ainda mais a busca dele pelovoto de trabalhadores brancos, que podem ser decisivos naeleição geral de novembro. O senador, que é negro, frequenta desde 1992 a igreja deChicago onde Wright pregava. Enquanto isso, Hillary apareceu numa entrevista gravada aoapresentador conservador Bill O'Reilly, da Fox News, queperguntou a ela se lamentava a situação de Obama. "Bem, acho que ele deixou suas opiniões finalmente muitoclaras, que ele discordava, e acho que é isso que ele deveriafazer", respondeu Hillary, que qualificou as declarações deWright como "ofensivas e ultrajantes". "E as pessoas têm de decidir em que acreditam. E eucertamente não acredito que o governo dos Estados Unidos estavapor trás da Aids", disse a senadora. Falando sobre a proposta de suspender temporariamente oimposto sobre a gasolina, Obama disse: "Eis a verdade -- umafamília média economizaria uns 30 dólares ao longo de trêsmeses -- 28 dólares. Ou, mais precisamente, 30 centavos dedólar por dia, o que não compra nem uma xícara de café no7-Eleven." Ele acrescentou que a suspensão do imposto tiraria dinheirodo fundo federal de rodovias, com o consequente fechamento devagas na construção civil. McCain, já garantido como candidato republicano, disse ajornalistas em seu ônibus na Pensilvânia que osnorte-americanos merecem um alívio no posto de gasolina,"particularmente os norte-americanos de baixa renda, quefalando em termos gerais dirigem para mais longe e dirigemcarros mais velhos, o que então aumenta seus gastos na bomba degasolina." No seu dia de campanha, Hillary pegou uma carona de 45minutos na picape do metalúrgico Jason Wilfing, 33 anos, dePlymouth, Indiana, a caminho do trabalho dele. Ao pararem numposto, a candidata pagou 64 dólares pelo equivalente a meiotanque de gasolina. (Reportagem adicional de John Whitesides na Pensilvânia eEllen Wulfhorst em Indiana)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.