Gemunu Amarasinghe/AP
Gemunu Amarasinghe/AP

Obama tenta reforçar influência sobre Sudeste Asiático

Democrata se tornará o primeiro presidente dos EUA a visitar Mianmar e Camboja

AE, Agência Estado

17 de novembro de 2012 | 15h05

WASHINGTON - Na sua primeira viagem ao exterior desde a campanha à reeleição, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, deve tentar reforçar a influência norte-americana no Sudeste Asiático, apesar da ascendência da China sobre a região. Ele se tornará o primeiro presidente dos EUA a visitar Mianmar e Camboja.

A viagem, que começa neste sábado, 17, será a quarta de Obama à Ásia. A visita ocorre em meio a desafios internos incomuns, como a abertura de discussões com legisladores sobre como evitar o abismo fiscal - série de cortes de gastos e aumentos de impostos automáticos programada para entrar em vigor no começo do ano que vem - e um escândalo sexual em sua equipe de segurança nacional.

Ainda assim, Obama está ansioso para retomar assuntos de política externa colocados em segundo plano durante a campanha. A inédita visita a Mianmar, ou Birmânia, uma vez que os americanos não reconhecem a mudança de nome do país, dá à viagem um caráter histórico e reforça o objetivo estratégico dos EUA na região, com paradas na Tailândia e no Camboja, onde Obama participará da Cúpula do Leste Asiático em Phnom Penh.

O presidente quer reforçar a imagem de seu país como uma potência aos olhos dos países da Ásia e Pacífico. "Dar continuidade ao desenvolvimento de uma articulação com a Ásia será uma parte crítica do segundo mandato do presidente e pode acabar se tornando o seu legado em política externa", disse o assessor de segurança nacional Ben Rhodes, antes da viagem.

A Cúpula do Leste Asiático terá a participação dos 10 países membros da Associação de Nações do Sudeste Asiático e de oito outras nações: EUA, China, Japão, Coreia do Sul, Índia, Rússia, Austrália e Nova Zelândia.

Com AP

Tudo o que sabemos sobre:
Barack ObamaEUAMianmar

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.