Obama terá 'diplomacia direta' com Irã, diz Susan Rice

A administração do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, se engajará em uma "diplomacia direta" com o Irã, informou hoje a nova embaixadora do governo norte-americano na Organização das Nações Unidas (ONU), Susan Rice. "Nós vamos nos engajar em uma vigorosa diplomacia, que incluirá a diplomacia direta com o Irã", afirmou. Desde a revolução iraniana de 1979 os dois países não têm relações diplomáticas nem contato diplomático direto. A embaixadora dos EUA na ONU alertou que o Irã precisa obedecer os pedidos do Conselho de Segurança (CS) da organização e suspender o enriquecimento de urânio, antes que sejam abertas conversações sobre o programa nuclear da república islâmica."O diálogo e a diplomacia precisam andar bem juntos, em uma mensagem firme dos Estados Unidos e da comunidade internacional, de que o Irã precisa cumprir suas obrigações como foi definido pelo Conselho de Segurança. A contínua recusa do Irã em fazer isso apenas aumenta a pressão", afirmou. Os comentários de Rice, que refletem os sinais de Obama por melhores relações com o Irã após oito anos do governo de George W. Bush e mais de vinte anos de outras administrações em Washington, foram feitos logo após ela ter uma reunião com o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon.O Irã ainda considera os EUA o "Grande Satã", mas um dia após a posse Obama o governo de Teerã disse que o país estava "pronto para uma nova abordagem com os EUA". O chanceler do Irã, Manouchehr Mottaki, disse que o governo do Irã estuda permitir que os EUA abram um escritório diplomático em Teerã, que seria a primeira representação dos EUA no Irã desde 1979. Rice disse que os EUA permanecem "profundamente preocupados com a ameaça que o programa nuclear do Irã representa para a região, para os EUA e a comunidade internacional inteira".A diplomacia direta com o Irã, disse a embaixadora, incluirá "a parceira e colaboração contínuas" com os outros quatro integrantes do CS - China, Rússia, Grã-Bretanha e França, bem como a Alemanha. "Ao mesmo tempo, nós vamos procurar o que é apropriado e necessário para manter a pressão, com o objetivo de acabar com o programa nuclear do Irã", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.