AP
AP

Obama usa internet para buscar apoio a medidas econômicas

Presidente americano respondeu de forma descontraída a perguntas enviadas por mais de 92 mil internautas

Bruno Garcez, BBC

26 de março de 2009 | 17h36

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, participou nesta quinta-feira, 26, de uma inovadora sessão de perguntas e respostas com questões enviadas pelo público que mostrou mais ser receptivo a suas ideias desde a campanha presidencial: os internautas. O líder americano respondeu a algumas das perguntas selecionadas entre milhares enviadas pela rede em um evento batizado pela Casa Branca de Online Town Hall Meeting, algo como Assembleia Popular Online.

 

Veja também:

linkLegalizar maconha não ajuda economia, diz Barack Obama

Na sessão - transmitida simultaneamente pela internet, no site da Casa Branca, e por redes de TV -, os internautas e os convidados que foram à Casa Branca fizeram perguntas sobre muitos dos temas que Obama julga os mais importantes de sua proposta orçamentária: educação, seguro-saúde e energia. Um total de 92.925 mil pessoas submeteu 104.129 mil perguntas ao site da Casa Branca. Os internautas então votaram em suas favoritas durante 36h, e 3.607.837 votos foram computados.

O líder americano voltou a defender o orçamento de US$ 3,6 trilhão que submeteu ao Congresso. De acordo com Obama, seu orçamento se propõe a ''consertar a educação, reduzir os custos de seguro-saúde e criar os empregos do futuro em fontes de energia limpa."

O presidente americano também defendeu os elevados custos de sua proposta orçamentária, argumentando que o orçamento foi reduzido em US$ 2 trilhões e reiterando a promessa de que pretende cortar pela metade o déficit americano nos próximos cinco anos.

A oposição republicana tem dito que o projeto orçamentário apresentado pelo líder dos Estados Unidos é irresponsável, porque eleva ainda mais o já oneroso déficit do país. Com uma plateia receptiva, Obama se mostrou mais descontraído e risonho do que na entrevista coletiva que concedeu na terça-feira, marcada por um tom de relativa tensão.

O líder americano se moveu de um lado para o outro usando um microfone sem fio e fez diversas tiradas bem-humoradas, entre elas a resposta que ofereceu a uma das perguntas escolhidas pelos internautas. A pergunta indagava se legalizar a maconha iria ajudar a economia americana e propiciar a criação de empregos.

''Não sei o que isso diz sobre a comunidade da internet, mas essa foi uma pergunta bem popular'', afirmou o presidente, despertando risos dos presentes. Em seguida acrescentou: ''Não, eu não acho que seja uma boa estratégia para fazer nossa economia crescer''.

 

BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.