AFP PHOTO / NICHOLAS KAMM
AFP PHOTO / NICHOLAS KAMM

Obama visita pela última vez como presidente as tropas da base da Marinha americana no Havaí

Líder, que deixará a Casa Branca no dia 20 de janeiro, disse que ser comandante-em-chefe foi o ‘privilégio’ de sua vida

O Estado de S.Paulo

26 Dezembro 2016 | 09h10

WASHINGTON - O presidente dos EUA, Barack Obama, visitou no Natal as tropas da base da Marinha no Havaí e disse que ser comandante-em-chefe foi o privilégio de sua vida. "Embora esta seja a última vez que me dirijo a vocês como presidente, quero que saibam que, como cidadão, minha gratidão se manterá e nosso compromisso para estar junto a vocês em cada passo do caminho não desaparecerá", disse nesta segunda-feira, 26, Obama em uma reunião natalina com as tropas e suas famílias.

O líder americano tem uma relação especial com essa base da Marinha, já que foi habitualmente sua academia e seu campo de golfe durante as oito férias de Natal presidenciais no Havaí. "Quero dizer a todos que servir como vosso comandante-em-chefe foi o privilégio da minha vida", afirmou no domingo perante as tropas.

O presidente teve palavras especiais para os militares no exterior. “Apesar do peso que é estar desdobrado, as pessoas nos EUA, em casa, entendem que a cada dia de serviço estão lutando por nossa liberdade e para nos manter seguros e preservar nosso modo de vida.”

Obama concluiu sua mensagem às tropas com uma nota. "Desejo ver vocês nos próximos anos, porque entendo que sigo tendo um pouco de categoria como ex-presidente. De modo que poderei seguir usando a academia e, certamente, o campo de golfe", afirmou entre risos.

A família Obama passou seus oito natais presidenciais na ilha do presidente, Oahu, onde o líder ainda mantém alguns amigos de sua adolescência. O prefeito de Honolulu, Kirk Caldwel, comentou há algumas semanas que o presidente não só planeja continuar passando férias em seu Estado, mas quer comprar uma propriedade no futuro. / EFE

Mais conteúdo sobre:
Estados Unidos Barack Obama Marinha

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.