Obama visita Senado para acelerar reforma na saúde

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, visita hoje o Capitólio para pedir aos senadores democratas que resolvam suas diferenças para acelerar a proposta de reforma do sistema de saúde. A visita favorece um número de legisladores sedentos para que ele ajude o líder da maioria do senado, Harry Reid, a deslanchar sua prioridade política doméstica.

AE-AP, Agencia Estado

06 de dezembro de 2009 | 15h38

Obama e Reid devem unir liberais e moderados democratas na reunião prévia entre os 60 membros e assim evitar a sólida oposição republicana, mesmo com os moderados recusando a discussão sobre o aborto e a proposta para que o governo venda seguros saúde em competição com o mercado privado. Sessenta é o número necessário para ultrapassar as táticas republicanas no Senado com 100 membros.

Legisladores moderados e liberais se reuniram ontem para tentar encontrar na proposta de plano de saúde do governo um compromisso que os dois setores apoiem. Uma nova ideia sendo discutida é a criação de planos de seguro nacionais, sem fins lucrativos, que seriam administrados pelo Escritório de Administração Pessoal, que inspeciona o bem cotado Programa de Benefícios de Saúde dos Empregados Federais. Para a senadora Blanche Lincoln, de Arkansas, uma democrata centrista, esta nova estratégia cria um maior leque de escolhas e de opções para o mercado.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAsaúdereformaBarack Obama

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.