Obrador apresenta supostas evidências de fraude nas eleições mexicanas

O candidato derrotado na contagem oficial das eleições presidenciais mexicanas, Andrés Manuel López Obrador, acusou nesta segunda-feira o presidente do país, Vicente Fox, de ajudar a "roubar" as eleições, o chamando de "raposa" - termo utilizado no México para classificar quem trapaceia nas eleições.Na fim da noite deste domingo, López Obrador entrou com um pedido de recontagem voto a voto dos resultados da votação do último dia 2 na máxima corte eleitoral do país. Minutos antes da meia noite, representantes do Partido Revolucionário Democrático (PRD) de López Obrador se dirigiram ao tribunal com nove caixas contendo supostas evidências de fraude e praticas de campanha escusas na eleição.Em um exemplo que Obrador classificou como "fraude à moda antiga", o esquerdista mostrou um vídeo em que um homem de Guanajuato, Estado natal de Fox, aparece colocando vários cédulas em uma urna de votação para manipular a eleição para o congresso. Não está claro para quem seriam os votos, mas o partido de Fox ficou com a maioria dos sufrágios na eleição.O candidato esquerdista alegou que a votação foi corrompida pelas técnicas de fraude que prevaleceram pelas sete décadas em que o país esteve sob comando do Partido Revolucionário Institucional (PRI).Segundo López Obrador, o governo e o Partido de Ação Nacional (PAN, cujo candidato, Felipe Calderón, venceu a contagem oficial) criaram urnas "grávidas", que teriam sido preenchidas antes das eleições com votos favoráveis ao candidato governista.Fox negou a interferência nas eleições, e observadores da União Européia informaram que não foi encontrada nenhuma evidência de irregularidade na contagem dos votos.Recontagem manualLópez Obrador não está procurando anular as eleições do dia 2 de julho, mas sim forçar as autoridades a conduzirem uma recontagem manual de todos votos. O candidato da esquerda se recusou a responder se irá aceitar a decisão do tribunal, e disse que também planeja levar o caso à Suprema Corte do México.O documento apresentado ao tribunal eleitoral mexicano pelos correligionários de López Obrador contém 900 páginas de supostas provas sobre zonas eleitorais com mais votos do que eleitores registrados, dinheiro do governo desviado para a campanha de Calderón, violação dos limites de gastos pré-eleitorais pelo PAN e um software utilizado para alterar os relatórios da contagem inicial."Nós temos provas de que as regras básicas das eleições foram flagrantemente violadas", disse Ricardo Monreal, um dos correligionários de López Obrador.O Tribunal Federal Eleitoral do México irá analisar o caso. A corte deve anunciar o vencedor das eleições até 6 de setembro.Aval presidencialTambém nesta segunda-feira, Fox disse que não irá se encontrar com nenhum dos dois candidatos que se dizem vencedores das eleições presidenciais até que o resultado oficial seja anunciado, informou o seu porta-voz.Em seu primeiro relatório desde as eleições do dia 2 de julho, o porta-voz presidencial, Ruben Aguilar, informou que Fox conversou com o partido de Calderón após autoridades eleitorais o informarem de que o candidato tinha uma pequena vantagem nas votações totais. Mas disse que o presidente irá ficar de fora da batalha pelo seu cargo até que o vencedor seja anunciado oficialmente.Segundo Aguilar, Fox está confiante de que a transição do governo será pacífica e descartou a idéia de que o país, dividido entre os dois candidatos, cairá dentro de uma espiral de caos. "O clima para governabilidade do México está garantida", disse o porta-voz.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.