AFP
AFP

Observadores da ONU devem visitar Tremseh após massacre

Oposição ao regime de Bashar Assad contabilizou mais de 200 mortos em ataque

Efe,

13 de julho de 2012 | 15h44

DAMASCO - Os observadores da ONU mobilizados na Síria se mostraram dispostos a visitar a cidade de Tremseh, palco de um massacre, disse o chefe da missão, general Robert Mood. Em entrevista à imprensa em Damasco, Mood explicou que a violência continua nesta sexta-feira, 13, o que podia ser observado de uma distância de aproximadamente cinco quilômetros.

Veja também:

link Massacre em Tremseh levanta dúvidas sobre mediação internacional na Síria

link Vídeos mostram vítimas de massacre ocorrido na Síria

forum CURTA A NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK

O chefe da missão, suspensa desde meados de junho pela deterioração da segurança no país, condicionou a entrada dos observadores em Tremseh a um cessar-fogo na cidade. Mood destacou que os observadores continuam distribuídos em diferentes províncias, documentam os casos que vão presenciando e estão intermediando com as partes em conflito para tentar chegar a uma solução pacífica.

A missão de observadores está prevista para terminar no final da próxima semana, mas o Conselho de Segurança da ONU pode ampliar seu mandato.

Mood pediu ao Conselho de Segurança que atue com "liderança efetiva" e pactue um plano que cumpra com as aspirações dos sírios. "O governo e a oposição devem se comprometer a fazer condições e se sentar à mesa das negociações. Se isso ocorrer, a missão será crível e poderá contribuir para melhorar a situação no terreno", disse.

Os observadores da ONU chegaram à Síria em 29 de abril para supervisionar a aplicação do plano de paz do mediador internacional Kofi Annan, composto por seis pontos, entre os quais figuram a cessação da violência, a retirada militar das cidades, a libertação dos detidos em protestos e o início de um diálogo nacional.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.