AFP PHOTO / MAHMOUD TAHA
AFP PHOTO / MAHMOUD TAHA

Observatório denuncia suposto bombardeio por russos na Síria

Aviação da Rússia iniciou ontem os ataques aéreos no território sírio contra alvos do grupo terrorista Estado Islâmico; Moscou e Damasco ainda não confirmaram novos ataques

O Estado de S. Paulo

01 Outubro 2015 | 08h17

BEIRUTE - Aviões de guerra supostamente russos, atacaram nesta quinta-feira, 1, áreas do povoado de Al Latmane, no norte da província central síria de Hama, informou o Observatório Sírio de Direitos Humanos.

A ONG, que tem sede no Reino Unido mas dispõe de uma ampla rede de ativistas no terreno, não deu mais detalhes sobre o fato.

A mesma fonte acrescentou que na noite de quarta-feira aviões de guerra, cuja nacionalidade não foi mencionada, atacaram o povoado de Tel Wasit, na planície de Gab, no noroeste de Hama, sem deixar vítimas.

Há meses o norte de Hama tem sido palco de confrontos entre o Exército sírio, a Frente al-Nusra (braço sírio da Al Qaeda) e outras facções aliadas, que tentam avançar em direção à província litorânea de Latakia, um dos principais redutos do governo.

Por enquanto, os governos de Moscou e Damasco não confirmaram a ocorrência de novos bombardeios da força aérea russa.

Ontem, a aviação da Rússia, que apoia o regime de Bashar Assad, iniciou os ataques aéreos no território sírio contra alvos do grupo terrorista Estado Islâmico (EI), asseguraram fontes oficiais russas e sírias.

Rússia. Os alvos dos ataques aéreos russos contra as posições dos jihadistas na Síria são decididos em coordenação com o Ministério da Defesa sírio, afirmou hoje o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, após garantir que os ataques da aviação russa são voltados exclusivamente contra grupos extremistas.

A oposição moderada síria afirma que os primeiros bombardeios russos mataram na quarta-feira mais de 30 civis em territórios onde os jihadistas não estão presentes.

"É preciso ter muito cuidado com todas as informações que surgem atualmente, porque muitas vezes são deformadas e falsas", ressaltou Peskov.

O porta-voz afirmou não ter ouvido as declarações do embaixador da Arábia Saudita na ONU, Abdallah Mouallimi, que segundo a imprensa internacional acusou Moscou de ter matado civis inocentes, ao bombardear regiões na província síria de Homs, e exigiu o fim dos ataques aéreos russos.

Ao mesmo tempo, acrescentou que "ainda é muito breve" para avaliar as primeiras ações militares russas no país árabe.

Alvos. O MInistério de Defesa da Rússia afirmou hoje ter destruído 12 alvos na Síria pertencentes ao grupo militante Estado Islâmico, incluindo um centro de comando e dois depósitos de munições. Autoridades reconheceram, no entanto, que outros grupos não identificados também foram alvos.

O porta-voz do ministério, Igor Konashenkov, disse em comentários televisionados que a força aérea russa atingiu os 12 alvos nas últimas 24 horas. Segundo ele, os jatos Su-25M e Su-25 fizeram 20 ataques.

Konashenkov insistiu que os alvos dos jatos russos foram apenas posições militantes e que não foram realizados ataques contra áreas civis. /EFE e ASSOCIATED PRESS

Mais conteúdo sobre:
Estados Islâmico Síria Rússia bombardeio

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.