OCDE sugere à Rússia que alivie política fiscal

A Rússia deve aliviar temporariamente sua política fiscal rigorosa e usar as maiores receitas orçamentárias para apoiar a enfraquecida economia do país, alertou a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) nesta terça-feira.

AE, Agência Estado

06 Maio 2014 | 12h54

Como a economia da Rússia está a ponto de desacelerar, o governo está buscando maneiras de lhe dar um impulso, estimular investimentos e interromper saídas de capital, sem agravar a já elevada inflação. Até agora, o Kremlin decidiu não aliviar a política fiscal rigorosa, enquanto procura domar a inflação, resultante do enfraquecimento do rublo, usando uma taxa de juros mais alta.

A OCDE sugere que "as receitas fiscais mais elevadas do valor crescente em rublo das receitas do petróleo (refletindo a depreciação do rublo) devem ser utilizadas para apoiar a economia doméstica mais fraca". "Deve ser dada prioridade a programas de gastos que favoreçam o crescimento, principalmente com educação, inovação e programas de mercado de trabalho", disse a organização, acrescentando que o "desvio" da regra deve ser apenas temporário e a rígida política atual deve ser retomada uma vez que o economia recuperar impulso.

A recomendação de aliviar a regra fiscal contradiz os conselhos dados recentemente pelo Fundo Monetário Internacional e pelo Banco Mundial, que elogiaram a fidelidade de Moscou à sua política orçamentária rigorosa.

A OCDE reduziu a previsão para o crescimento da Rússia em 2014 devido às tensões geopolíticas com a Ucrânia. Em relatório anual sobre as perspectivas da economia global, a entidade cortou a expectativa de expansão do Produto Interno Bruto (PIB) russo para 0,5%. Em novembro, a projeção era de alta de 2,3%. Fonte: Dow Jones Newswires.

Mais conteúdo sobre:
Ocde rússia política fiscal alívio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.