Ocidente busca abstenção russa em nova resolução

O discurso do regime de Bashar Assad de que passaria a respeitar o cessar-fogo previsto pelo acordo de paz do enviado da ONU e da Liga Árabe, Kofi Annan, não convence os diplomatas ocidentais do Conselho de Segurança da ONU. Eles têm em mente "elementos" para uma nova resolução a ser avaliada em caso de reincidência das manobras militares contra a revolta popular no país.

ANDREI NETTO , CORRESPONDENTE / PARIS, O Estado de S.Paulo

12 de abril de 2012 | 03h01

Ontem, o chanceler francês, Alain Juppé, defendeu abertamente a adoção de uma resolução no Conselho de Segurança para enviar tropas sob autoridade da ONU à Síria. Os militares verificariam a implementação do plano de Annan.

Negociadores ocidentais ouvidos pelo Estado indicam que a elaboração do novo texto depende de um sinal da Rússia, que até agora mantém o apoio à Síria.

De acordo com a declaração presidencial do Conselho de Segurança, Assad precisa não apenas respeitar o cessar-fogo, mas retirar tropas de centros urbanos, garantir o acesso ao país da mídia e de organizações humanitárias. O regime também tem de organizar a transferência do poder ao vice-presidente, para formar um governo de união.

"Tínhamos dúvidas sobre a vontade dos sírios sobre a implementação do plano Annan, mas ele está na UTI", disse um diplomata diretamente envolvido nas negociações. "O resultado é muito decepcionante. Considerávamos que havia 5% de chance de obter algo sério do regime sírio por meio de uma mediação e por isso demos força a Kofi Annan. Diria que temos 2% de chance. Veremos o que responderá a comunidade internacional."

Segundo o negociador, a abstenção chinesa a uma resolução recriminando o regime pelos crimes cometidos na repressão da revolta estaria perto de ser garantida. Moscou segue inflexível. "A Rússia está perdendo a confiança de todos os seus aliados da região. Existem laços comerciais, políticos e institucionais muito fortes entre a Síria e a Rússia. Sua real posição é uma incógnita", avalia outro diplomata.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.