Ocidente foi hipócrita com Iraque e Oriente Médio, diz chanceler

O chanceler britânico Jack Straw admitiu hoje uma certa hipocrisia ocidental por ter exigido que o Iraque cumprisse as resoluções do Conselho de Segurança das Nações Unidas, enquanto desconsiderava as resoluções que dizem respeito ao conflito entre israelenses e palestinos.Straw disse hoje em uma entrevista pela rádio BBC que ele mesmo "até certo ponto" usou deferentes parâmetros em seus discursos, mas declarou que de agora em diante se estabelecerá um novo plano de paz internacional chamado "roadmap" (mapa de estrada) para o Oriente Médio. "Esse plano está muito perto de ser aprovado e só dependerá da entrada do novo gabinete palestino e de sua aceitação pelo Parlamento local. O novo primeiro-ministro palestino, Mahmoud Abbas, deve estabelecer um governo o quanto antes", disse o ministro trabalhista, que admitiu entender a preocupação no mundo árabe sobre a chamada "injustiça contra os palestinos". "Existe também uma preocupação real com o fato de o Ocidente ter usado dois pesos e duas medidas. Por um lado, exigindo do Iraque que cumprisse as resoluções da ONU mas, por outro, mostrando-se ambíguo sobre a implementação de resoluções em Israel e nos territórios palestinos", acrescentou. Referindo-se à guerra contra o Iraque, Straw admitiu que grande parte da resistência encontrada pelas tropas anglo-americanas quando lutam com as forças iraquianas ao sul de Bagdá se deve a este tipo de padrão. "Mas não podemos negar que também está baseado no medo de uma represália militar por parte de (o presidente) Saddam Hussein. É nossa responsabilidade solucionar o problema com o Iraque, mas também nos encarregarmos do conflito israelense-palestino", disse o chanceler britânico. O plano de paz "roadmap", criado conjuntamente pelo governo dos EUA, Rússia, ONU e União Européia (UE), estabelece a criação de um Estado palestino até 2005.Veja o especial :

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.