''Ocidente não tem direito de impor valores''

Para o ministro da Defesa, Nelson Jobim, não há "cultura universal", mas "costumes" locais, e o Ocidente não tem o direito de "impor coisas na casa dos outros". "(A lapidação) é problema deles (do Irã), não do Brasil", disse ao Estado Jobim.

, O Estado de S.Paulo

20 de novembro de 2010 | 00h00

O que o sr. acha da abstenção brasileira em relação a apedrejamentos no Irã e a Mianmar?

Há uma posição constitucional brasileira de auto-determinação dos povos. Nas questões culturais internas dos povos, o Brasil não permitirá, por exemplo, que ninguém se envolva nas decisões e nos modelos das instituições brasileiras. O que temos de ter é uma concepção clara de que o Ocidente não pode impor sua concepção de cultura, ou seja, não há uma cultura universal. São hábitos. E é exatamente o fato de você pretender impor a cultura ocidental às culturas orientais que produz intolerância.

O que isso significa para o debate internacional sobre o tema?

Essa questão de direitos humanos é ocidental. Nós temos de verificar sempre as culturas.

Então devemos aceitar o apedrejamento em alguns casos?

Eu, pessoalmente, sou contra. Mas não posso dizer a quem tem isso na sua cultura que seja contra. O problema é deles, não é nosso. Evidentemente que não aceitaríamos nenhum tipo de ação dessa natureza, mas eu não posso impor na casa dos outros, não tendo nada a ver com a casa dos outros. Isso só cria ambientes de intolerância e mais, pode levar a uma coisa que - absolutamente o Brasil não vai nunca - é importar o terrorismo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.