Ocidente vai perder o controle da situação na Líbia, diz Kadafi

Segundo o ditador, coalizão começou uma coisa grave, que não pode controlar e fala em 'cruzada'

estadão.com.br,

31 Março 2011 | 12h50

TRÍPOLI - O ditador Muamar Kadafi disse nesta quinta-feira, 31, que os países ocidentais que participam da coalizão que ataca a Líbia podem perder o controle da situação que criaram.  " Se eles continuam, o mundo entrará em uma verdadeira cruzada. Começaram uma coisa grave, que não podem controlar, não importa quais meios de destruição que disponham", disse à agência estatal Jana.

Veja também: 
especialTwitter: 
Acompanhe os relatos de Lourival Sant'anna

especialLinha do Tempo: 40 anos de ditadura na Líbia
blog Arquivo: Kadafi nas páginas do Estado
especialInfográfico:  A revolta que abalou o Oriente Médio

especialEspecial: Os quatro atos da crise na Líbia
especialCharge: O pensamento vivo de Kadafi

Kadafi voltou a acusar os líderes ocidentais de promoverem uma segunda cruzada entre cristãos e muçulmanos no Mediterrâneo. A solução, ainda de acordo com o ditador seria que eles fossem derrubados por seus povos.

Mais cedo, o porta-voz do governo líbio, Mussa Ibrahim, disse que Kadafi e seus familiares ainda estão no país. "Tenha a certeza de que estamos todos aqui. Iremos ficar até o fim. Este é nosso país. Estamos fortes em todos os frontes", disse.  "Não estamos nos apoiando em indivíduos para conduzir a luta. Esta é uma luta de toda a nação. Não depende de indivíduos ou autoridades."            

             

Ibrahim desdenhou insinuações de que os ataques aéreos da coalizão fizeram a balança pender a favor das forças rebeldes que combatem as tropas de Gaddafi, ou encorajaram pessoas comuns a buscar mudanças após as quatro décadas de governo de Gaddafi.                

                

"Mesmo com o bombardeio aéreo de cada cidade líbia, você não vê pessoas saindo em massa para exibir qualquer mudança," declarou. "Onde está a revolução popular? Onde estão as tribos saindo e dizendo ao seu líder: 'Saia do país'? É preciso ler os sinais."

Com Reuters

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.