Jim Lo Scalzo/EFE
Jim Lo Scalzo/EFE
Imagem Lourival Sant'Anna
Colunista
Lourival Sant'Anna
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Ocupação do Congresso dos EUA foi maior demonstração da fragilidade da democracia

Líderes que desprezam as instituições e seus seguidores representam uma ameaça

Lourival Sant'Anna, O Estado de S.Paulo

10 de janeiro de 2021 | 05h00

A ocupação do Congresso americano foi a maior demonstração da fragilidade da democracia na minha geração. Cobri muitas guerras civis e golpes, mas não em países onde a democracia estivesse enraizada.

A 2.ª Emenda da Constituição assegura o acesso dos cidadãos às armas para formar milícias e defender-se, entre outras ameaças, de um eventual Estado opressor. As medidas adotadas pelos governos estaduais, sobretudo democratas, para conter a pandemia, mobilizaram esses grupos, que viram nelas a opressão contra liberdades individuais. 

O presidente Donald Trump se opôs a essas imposições e atacou, entre outros, a governadora Gretchen Whitmer, do Michigan, alvo de protestos que incluíram militantes armados. Em outubro, o FBI prendeu 13 ativistas, que planejavam sequestrar, “julgar” e executar Whitmer. 

As milícias enfrentaram manifestantes antirracistas, denunciados por Trump como “terroristas”. Esses ativistas adotam o slogan “Vidas azuis importam”, em referência à cor da farda da polícia. Alguns são veteranos. Todos nutrem forte identificação com as Forças Armadas. 

Trump advertiu que não aceitaria a derrota, só possível por fraude. As milícias abraçaram a causa, como o estopim da “segunda guerra civil americana”, que pretendem travar. Com a vitória de Joe Biden, as milícias se mobilizaram em torno do objetivo de impedir sua certificação no dia 6 de janeiro. 

Para Entender

O que está acontecendo com a democracia no mundo?

Ascensão de grupos extremistas, tentativas de golpes, eleições questionadas: como está o sistema democrático em diferentes países

Em 48 horas, um grupo ganhou 20 mil seguidores antes de ser fechado pelo Facebook. Os grupos se espalharam pelas redes e acabaram se refugiando em duas plataformas que não censuram conteúdos extremistas: Parler e Gab.

Eles discutiram abertamente nas redes detalhes logísticos da “tomada de Washington”, como transporte de pessoal e de armas, alojamento, alimentação e locais de concentração. No comício que antecedeu a invasão, Donald Trump Jr., filho do presidente, disse, referindo-se aos congressistas que pretendiam votar a favor da certificação da vitória de Biden: “Estamos indo atrás de vocês”. O advogado do presidente, Rudy Giuliani, disse que seria “o julgamento pelo combate”.

Em seguida, o presidente Trump orientou os 30 mil seguidores a descer a Avenida Pensilvânia e a hostilizar esses congressistas e o vice-presidente Mike Pence, se ele não impedisse a certificação: “Vocês nunca tomarão de volta nosso país com fraqueza”.

Apesar de tudo isso, o Capitólio não foi protegido pelas forças de segurança. A prefeita Muriel Bowser, negra e democrata, criticou a repressão aos protestos contra o racismo e a violência policial em junho em Washington, por parte das forças federais. 

A Polícia Metropolitana destacou um efetivo mínimo à frente do prédio. Os manifestantes invadiram o Capitólio sem dificuldades. Repórteres viram policiais do Capitólio orientando os invasores onde ficavam os gabinetes dos líderes.

Quando o prédio já estava tomado, Trump tuitou: “Mike Pence não teve coragem de fazer o que era preciso para proteger nosso país e nossa Constituição”. Um minuto depois, os invasores começaram a gritar: “Onde está Mike Pence?” O vice-presidente foi retirado às pressas sob escolta, assim como os líderes partidários. Um militante se fotografou com um pé na mesa do gabinete da presidente da Câmara, Nancy Pelosi, e insinuou que poderia matá-la.

Trump se recusou a ordenar a mobilização das forças federais. Foi Pence quem ligou para o Pentágono para pedir ajuda da Guarda Nacional. Os reforços chegaram 5 horas depois da invasão do Capitólio.

Essa história demonstra o quanto a democracia fica exposta pela combinação de líderes que desprezam as instituições, seguidores dispostos a dar a vida por eles, contando com a complacência de policiais e militares, e autoridades pautadas pelos limites da lei e da coerência com seus princípios. Se isso pode acontecer nos Estados Unidos, nenhuma democracia está a salvo. 

* É COLUNISTA DO ESTADÃO E ANALISTA DE ASSUNTOS INTERNACIONAIS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.