Odebrecht evacua 5 mil funcionários da Líbia

Empresa vai retirar trabalhadores em voos fretados e de carreira; 187 são brasileiros

estadão.com.br

21 de fevereiro de 2011 | 18h16

Em razão da conturbada situação política por que passa a Líbia, a empresa brasileira Odebrecht ordenou nesta segunda a evacuação de seus 5 mil funcionários no país, entre eles, 187 brasileiros - incluídos familiares. Segundo comunicado da empresa, os trabalhadores estão sendo retirados em aviões de carreira e voos fretados.

 

Veja também:

mais imagens Galeria:   Veja imagens dos conflitos

especialInfográfico A revolta que abalou o Oriente Médio

blog Radar Global: Acompanhe os protestos na região

 

A companhia tem contrato para a construção de dois terminais do Aeroporto Internacional da capital, Trípoli, e para a criação de um anel rodoviário na cidade. Desde 2007 a Odebrecht trabalha no local. As duas obras têm um valor total de U$ 1,4 bilhão.

 

Conflito. Na Líbia, o ditador Muamar Kadafi ordenou que aviões militares atacassem manifestantes que, pelo quinto dia, protestam pela sua renúncia. De acordo com testemunhas, ao menos 161 pessoas morreram entre ontem e hoje.  Algumas cidades do leste do país, como Benghazi e Bayda, já estão sob controle dos manifestantes, com o auxílio de militares e policiais que mudaram de lado. Em Trípoli, onde há manifestações desde domingo. A praça dos Mártires foi palco de enfrentamentos entre os dissidentes e forças de segurança desde as primeiras horas da manhã. A sede central do governo líbio e o prédio que abriga o Ministério da Justiça foram incendiados.

 

Relembre:

linkA empreitada brasileira na Líbia

linkExecutivo brasileiro conta como é a sua rotina na Líbia

 

Leia ainda:

linkPrédios do governo em Trípoli está em chamas

linkFilho de Kadafi adverte para risco de guerra civil

link Ao menos 230 já morreram em protestos, diz ONG

 

Tudo o que sabemos sobre:
OdebrechtLíbiaPrimavera Árabe

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.