Odebrecht nega superfaturamento

Empresa garante que valor de obra na Argentina foi aprovado

Ariel Palacios, O Estadao de S.Paulo

07 de setembro de 2004 | 00h00

Buenos Aires - Fontes próximas à empresa brasileira Odebrecht desmentiram ontem as acusações publicadas pelo jornal dominical argentino Perfil, que indicavam que a empresa estaria envolvida no superfaturamento das ampliações de gasodutos na Argentina entre 2006 e 2008. Segundo o jornal, o superfaturamento seria de US$ 486 milhões. O periódico também sustentou que o orçamento para essas obras - estipulado pelo organismo fiscalizador do setor, o Ente Nacional Regulador de Gás (Enargás) - havia sido de US$ 1,386 bilhão. Mas fontes próximas à empresa discordam e disseram ao Estado que o orçamento sempre foi de US$ 1,8 bilhão, e que, portanto, jamais houve superfaturamento. Além disso, sustentam que os organismos de fiscalização competentes aprovaram os valores. O Perfil revelou no início do ano o "caso Skanska", escândalo de superfaturamento na ampliação de gasodutos e subornos, envolvendo uma empresa sueca. A ampliação dos dutos era parte crucial dos planos do presidente Néstor Kirchner para driblar a crise energética. O jornal afirma que agora surgiu o "Skanska 2", no qual, afirma, estaria envolvida a Odebrecht. Segundo o Perfil, o superfaturamento foi de 35% do preço da obra. No entanto, fontes da Odebrecht declararam ao Estado que podem demonstrar que as especulações publicadas não possuem fundamento. O Perfil diz que a obra implica a ampliação do gasoduto para aumentar o transporte de gás em 22 milhões de metros cúbicos diários. Mas, segundo as fontes da Odebrecht, o volume é de 24,4 milhões de metros cúbicos. No entanto, a parte na qual está envolvida a Odebrecht corresponde a muito menos, no total de 13,4 milhões de metros cúbicos diários. Além disso, enquanto o jornal Perfil afirma que as obras do gasoduto estão paralisadas, a Odebrecht indica que elas estão em andamento. As fontes atribuem a denúncia do jornal ao clima pré-eleitoral, já que em outubro serão realizadas eleições presidenciais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.