OEA condiciona mediação em Honduras a acordo prévio

A missão de chanceleres da Organização dos Estados Americanos (OEA) só desembarcará em Honduras na quarta-feira se estiverem cimentadas as condições para a negociação de um acordo entre o governo de facto, o presidente deposto, Manuel Zelaya, e a Frente Nacional de Resistência em um período recorde de até dez dias.

DENISE CHRISPIM MARIN, Agencia Estado

01 de outubro de 2009 | 21h12

Sem essa premissa, o secretário-geral da OEA, José Miguel Insulza, deverá cancelar a missão, por considerar impossível alcançar um consenso e também para não envolver a organização em uma negociação sem prazo que somente favorecerá o governo de facto.

De acordo com o Itamaraty, a OEA quer evitar cair em manobras do governo de facto para ganhar tempo e forçar o reconhecimento da comunidade internacional das eleições de 29 de novembro. Dessa forma, não seria necessário o retorno de Zelaya à presidência hondurenha.

"Do Alasca à Terra do Fogo, nenhum país aceita uma fórmula que não preveja a restituição de Zelaya a seu cargo", afirmou uma fonte da diplomacia. "A eleição presidencial somente será legítima se essa condição for aceita e cumprida."

Tudo o que sabemos sobre:
HondurasOEA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.