OEA critica postura da Venezuela em direitos humanos

A comissão de direitos humanos da Organização dos Estados Americanos (OEA) disse na última sexta-feira, 9, que a Venezuela está dificultando seu trabalho no país. A Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) informou que há três anos tenta, sem êxito, enviar um grupo à Venezuela. "A última visita da CIDH à Venezuela foi em maio de 2002 e a CIDH tenta inutilmente, por três anos, conseguir anuência das autoridades para realizar uma nova visita", disse a entidade em um comunicado. A CIDH afirmou que o governo do presidente Hugo Chávez dificulta a ida do comissário Paulo Sérgio Pinheiro ao país, ao não decidir uma data para sua visita, explicou uma porta-voz. O comunicado foi divulgado após uma audiência da Comissão em Washington esta semana, em que o representante da Venezuela, Germán Saltrón, acusou a CIDH de "tergiversar informação" sobre as liberdades em seu país. Saltrón pediu que a CIDH faça uma autocrítica sobre sua atuação depois do golpe de Estado frustrado que tentou destituir Chávez em 2002. Segundo a Comissão, há uma deterioração paulatina do Estado de direito na Venezuela. "Nos últimos anos, a Comissão continuou recebendo informação preocupante referente à existência de atos de hostilidade, intimidação e descrédito profissional contra as defensoras e defensores de direitos humanos", disse.A OEA reconheceu a reeleição de Chávez com mais de 60% dos votos em dezembro, mas expressou preocupação com a falta de independência dos poderes do Estado e a concentração de poder ao redor do presidente, um inimigo feroz das políticas dos Estados Unidos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.