OEA detecta irregularidades e destaca melhorias nas eleições haitianas

Segundo o Conselho Eleitoral Provisório 'As melhorias e o êxito do 2º turno foram manchados por problemas logísticos que atrasaram a abertura dos centros de votação', onde 79 centros receberam o material eleitoral incompleto

22 de março de 2011 | 03h40

WASHINGTON - A missão de observação eleitoral conjunta OEA-Caricom constatou algumas irregularidades no segundo turno das eleições presidenciais do Haiti, realizado no domingo, 20, mas também avaliou que houve melhorias com relação ao primeiro turno, informou o organismo nesta segunda-feira, 22.

 

"O clima político do dia da eleição foi mais tranquilo e relaxado, apesar dos atritos e dos incidentes violentos registrados entre os partidários dos dois candidatos presidenciais nos últimos dias da campanha eleitoral", indicou.

 

As medidas tomadas pelo Conselho Eleitoral Provisório (CEP) para solucionar erros de organização detectados no primeiro turno, como a dificuldade para encontrar os postos de votação, "tiveram resultados positivos", embora "ainda aja trabalho por fazer para melhorar a confiabilidade das listas eleitorais".

 

"As melhorias e o êxito do segundo turno foram manchados por problemas logísticos que atrasaram a abertura dos centros de votação em vários pontos da capital", onde 79 centros receberam o material eleitoral incompleto.

 

Em matéria de segurança, a missão assinala que a Polícia Nacional do Haiti, o Exército e a Polícia da Minustah trabalharam de maneira coordenada para evitar a interrupção do processo eleitoral e os incidentes violentos.

 

No entanto, houve alguns incidentes "que mancharam a jornada eleitoral" e que a missão contornou, ao tempo que destacou a pronta resposta das forças de segurança haitianas e da Minustah.

 

A missão também observou problemas em algumas zonas onde surgiram atritos entre os candidatos a deputados nas quais alguns eleitores foram intimidados, embora "tenham sido incidentes isolados que não refletem a realidade do processo eleitoral geral".

 

A participação dos cidadãos parece ter sido ligeiramente superior à observada no primeiro turno, mas não cumpriram com as expectativas.

 

Os haitianos votaram no domingo para escolher entre a ex-primeira-dama Mirlande Manigat e o cantor Michel Martelly para substituir René Préval na Presidência do país, além de sete dos 30 senadores e 79 dos 99 deputados.

 

O processo de contabilização dos votos, que contará também com a participação da missão, chegará ao fim em 31 de março com o anúncio dos resultados provisórios.

 

A missão OEA-Caricom lembrou que até que os resultados oficiais sejam divulgados, em 16 de abril, "todas as manifestações públicas a favor de um candidato ou partido político estão proibidas".

 

Os observadores assinalaram que "o civismo do povo do Haiti permitiu o desenvolvimento globalmente pacífico do segundo turno, contribuindo para a prática democrática no país, assim como para a credibilidade e a legitimidade do processo eleitoral".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.