OEA diz haver evidências de fraude nas eleições do Haiti

Monitores internacionais estão recomendando que o candidato do governo do Haiti na disputa presidencial, Jude Celestin, não deve participar do segundo turno da eleição. O rascunho de um relatório elaborado pela equipe de monitores da Organização dos Estados Americanos (OEA) pede a eliminação do candidato, pelas evidências de fraudes.

AE, Agência Estado

10 de janeiro de 2011 | 15h29

O relatório foi apresentado pela OEA hoje ao presidente René Préval. O documento não foi divulgado publicamente, mas a Associated Press obteve uma cópia. Um funcionário estrangeiro familiar com o tema confirmou as conclusões do relatório. O texto recomenda que o terceiro colocado na corrida presidencial, segundo os resultados oficiais, Michel Martelly, dispute o segundo turno com a ex-primeira-dama Mirlande Manigat.

Houve distúrbios no país logo que o resultado oficial foi divulgado. O segundo turno estava inicialmente marcado para o próximo domingo, mas foi adiado e agora não deve ocorrer pelo menos até o próximo mês. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
HaitieleiçõesOEA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.