OEA repudia tentativa de 'golpe de Estado' no Equador

A Organização dos Estados Americanos (OEA) manifestou hoje repúdio a "qualquer tentativa de alteração da institucionalidade democrática no Equador" e conclamou os policiais e militares amotinados a "evitarem todo e qualquer ato de violência que possa exacerbar uma situação de instabilidade política". O secretário-geral da OEA, José Miguel Insulza, qualificou a situação no Equador como um "golpe de Estado em marcha" e disse que está tentando marcar para Quito o breve possível.

AE-AP, Agência Estado

30 de setembro de 2010 | 18h48

"A situação é grave. Devemos reagir de maneira contundente. Há uma diferença com o caso de Honduras, que é o fato de ainda não se ter consumado o golpe. Devemos impedir que este se consume, agindo rapidamente e de maneira unânime", declarou Insulza, em Washington, nos Estados Unidos.

A declaração de repúdio da OEA foi aprovada por unanimidade em sessão extraordinária convocada pela missão do Equador na entidade. A OEA declara ainda respaldo total a Correa "em seu dever de preservar as ordens institucional e democrática e o estado de direito".

EUA

O governo dos EUA condenou hoje a manifestação de centenas de policiais e militares equatorianos que protestavam contra a aprovação de uma lei que retiraria alguns benefícios das forças de segurança. "Os Estados Unidos deploram todo tipo de violência que possa ser associada com esses fatos", disse Luoma-Overstreet, porta-voz do Departamento de Estado.

O governo de Washington "expressa seu total apoio ao presidente Rafael Correa e às instituições democráticas do Equador", acrescentou o porta-voz, em comunicado. Ele também afirmou que as autoridades norte-americanas estão "acompanhando de perto a situação" e exortou "toda a sociedade equatoriana a se reconciliar e a usar o diálogo, perante das instituições democráticas, para chegar a uma rápida e pacífica restauração da ordem".

Tudo o que sabemos sobre:
EquadorprotestogolpeOEArepúdio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.