Ofensiva contra Damasco seria ainda maior, diz Israel

O premiê de Israel, Ehud Olmert disse que, se forçado a entrar em guerra com a Síria, a ofensiva israelense será mais intensa do que foi na recente guerra no Líbano, segundo estações de rádio israelenses informaram nesta segunda-feira.Ao se dirigir aos influentes comitês de Defesa e de Relações Externas do parlamento, Olmert reiterou sua oposição quanto a iniciar negociações com a Síria, afirmaram participantes da reunião.Israel acusa a Síria e o Irã de fornecer armamentos e financiar as guerrilhas do Hezbollah, que dispararam aproximadamente quatro mil foguetes contra o território de Israel durante as cinco semanas de guerra, que terminou mês passado.A Síria também apóia e dá refugio APS líderes políticos do Hamas, grupo militante que têm o controle da Autoridade Palestina e prega a destruição de Israel. Israel fez grandes esforços para manter a Síria fora do conflito no Líbano - aparentemente, para evitar outro front de guerra, ou para evitar fechar futuras opções de paz. Mas, se a guerra com a Síria acontecesse, Israel suspenderia as restrições que o país se auto impôs durante o último conflito, quando atingiu alvos no Líbano usando aviões, tanques e navios para realizar os bombardeios, falou Olmert, segundo a rádio do Exército. "A Síria sabe que nos limitamos em nossas operações, e sabe que em uma operação contra a Síria, contra Damasco, Israel não se limitaria", disse Olmert, segundo a rádio do Exército. Um participante do encontro disse à agência de notícias Associated Press , que Olmert afirmou aos legisladores que Israel mandou uma mensagem à Síria durante a guerra, excluindo negociações. Esta postura continua agora, afirmou o premiê.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.