Ofensiva deixa 24 insurgentes e 2 soldados mortos no Paquistão

Exército investe contra o Taleban desde sábado em três frentes de combate; 300 mil já fugiram da região

Efe,

22 de outubro de 2009 | 11h13

Pelo menos 24 supostos insurgentes e dois soldados morreram nas últimas 24 horas na ofensiva contra o Taleban realizada pelas tropas paquistanesas na região tribal do Waziristão do Sul, segundo informou nesta quinta-feira, 22, o Exército do Paquistão.

 

Veja também:

linkMilitantes matam dois militares em ataque no Paquistão

linkPaquistão ataca Taleban e pede à Otan que feche fronteira

 

O comando militar afirmou, em comunicado, que outros quatro soldados ficaram feridos durante a operação que começou no sábado em três frentes de combate da região na fronteira com o Afeganistão.

 

Os combates mais sangrentos do dia ocorreram na frente sudeste, onde o Exército assumiu o controle de Tor Ghundai e disse que neutralizou alguns bunker e cavernas dos insurgentes, que, segundo o comunicado, fugiram após sofrer 13 baixas.

 

Na frente sudoeste, as tropas repeliram um ataque insurgente na zona de Boya Narai, ao oeste da cidade de Sherwangi, e mataram 11 supostos taleban, enquanto um soldado morreu e três ficaram feridos.

 

Nesta zona, as tropas conseguiram retomar o controle da ponte de Torwam, fechada pelos insurgentes em 2007 e considerada vital na conexão dessa localidade a Ladha, um dos tradicionais redutos dos fundamentalistas do Waziristão.

 

O Exército parece enfrentar mais problemas na frente norte da região, onde as tropas na localidade de Razmak se limitam a "consolidar suas posições e bloquear as estradas a partir de Makeen", outro reduto fundamentalista. Nessa área, os insurgentes dispararam ontem seis projéteis contra o acampamento de Razmak, causando a morte de um soldado e ferindo outro.

 

O número de deslocados que saíram da conflituosa demarcação nos últimos meses é de 300 mil pessoas, e entre elas, 50 mil fugiram desde o último dia 13, disse a porta-voz do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur) no Paquistão, Ariane Rummery.

Tudo o que sabemos sobre:
TalebanofensivaPaquistão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.