Ofensiva do governo deixa 115 mortos na Somália

Uma ofensiva do governo da Somália contra militantes ligados à Al-Qaeda perdeu força hoje, quando autoridades disseram que pelo menos 115 pessoas foram mortas desde que a violência começou, há alguns dias. Ali Muse, chefe do serviço de ambulâncias de Mogadíscio, afirmou que 49 civis morreram e 157 ficaram feridos desde que o governo lançou a operação, na quarta-feira.

AE, Agência Estado

27 de fevereiro de 2011 | 13h33

Além disso, pelo menos 60 militantes foram mortos, além de seis pacificadores, de acordo com Biyereke Floribert, porta-voz dos pacificadores de Burundi que servem na força da União Africana. Muse afirmou que os fortes confrontos perderam força, mas que tiros esporádicos ainda podem ser ouvidos. O fraco governo da Somália, com o apoio da Organização das Nações Unidas (ONU), promete há tempos uma guerra contra os militantes. O Al-Shabab, grupo mais forte entre os insurgentes, prometeu fidelidade à Al-Qaeda e controla a maior parte da capital, além das regiões central e sul da Somália. As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.